Setor imobiliário do RN tem queda de 22,3% nas vendas

Publicação: 2017-02-23 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O setor imobiliário de Natal e Região Metropolitana vendeu 384 unidades residenciais de outubro a dezembro de 2016, um  decréscimo de 110 imóveis na comparação com o trimestre anterior (julho a agosto de 2016) ou queda de 22,3%. Os resultados do setor no período foram divulgados ontem pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do RN (Sinduscon RN) e confirmam retração também no segmento de imóveis comerciais, assim como na geração de empregos. Apenas no trimestre de outubro a dezembro, houve perda de 418 postos de trabalho, uma média de 139 postos por mês.
Adriano AbreuO setor reduziu as vendas e também o número de trabalhadores, confirmam dados do SindusconO setor reduziu as vendas e também o número de trabalhadores, confirmam dados do Sinduscon

“A falta de de novos empreendimentos gera desemprego porque as empresas deixam de contratar”, diz  o diretor de mercado imobiliário do sindicato, Francisco Vasconcelos. Na avaliação dele, 2016 foi “muito pior” do que o ano anterior para o mercado e a  queda na oferta de imóveis quando comparada a 2015 é reflexo da crise para o setor.

E os resultados negativos não ficaram restritos ao segmento residencial. De acordo com os dados divulgados ontem, a quantidade de imóveis comerciais vendidos foi 82,9% menor quando comparado com o terceiro trimestre de 2015, quando foram vendidas 35 unidades. Quase 93% das vendas em dezembro de 2016 ocorreram em Natal e Parnamirim. Na capital potiguar, a maioria das vendas ocorreu nos bairros de Ponta Negra, Lagoa Nova, Pitimbu, Neópolis e Capim Macio. As análises tem por base o  Índice de Velocidade de Vendas (IVV), do Sinduscon.

Oferta
De 2015 para 2016, no mês de dezembro, a quantidade de imóveis em Natal e Grande Natal passou de 3.606 para 2.433.  Houve queda de 32,5% na oferta, ou seja, não ocorreram lançamentos de imóveis e empreendimentos novos.

“O ano passado foi difícil, pois a crise influenciou diretamente na confiabilidade da compra. Em 2015 as pessoas não tinham noção da crise financeira, que foi sentida somente em 2016. Ao mesmo tempo, as 27 empresas que fazem parte do Sinduscon não fizeram lançamentos de novos empreendimentos. Caso o cenário não melhore, haverá pouca oferta e os preços tendem a ficar mais altos”, disse Vasconcelos.

O  Índice de Velocidade de Vendas (IVV)  mostra ainda que do total de 384 unidades residenciais vendidas de outubro a dezembro de 2016, 103 foram comercializadas em outubro, 143 em novembro, e 138 em dezembro em Natal e Região Metropolitana.

Vasconcelos afirma que qualquer redução de taxa de juros melhora o ambiente de financiamentos, depois de quatro elevação de taxas consecutivas. “Há uma expectativa de melhora no mercado. Mesmo pequeno, mas faz diferença na hora de financiar”, afirma.

Para 2017, ele afirma que ainda não há perspectivas de novos lançamentos. Para que isso aconteça, é preciso que os preços dos imóveis sejam reajustados. A estratégia de liquidar estoque de imóveis prontos para o consumidor é um dos motivos da defasagem do preço. “Os preços extremamente baixos praticados hoje no mercado inviabilizam, economicamente, novos lançamentos porque não cobrem os custos”, disse Vasconcelos. Prova disso, acrescenta ele, é que o mercado está há 18 meses sem lançar.

Fórum

O Sindicato da Habitação Rio Grande do Norte (Secovi-RN), realizará o I Fórum do Mercado Imobiliário do Rio Grande do Norte, em 13 de março. O evento irá fazer uma radiografia do setor imobiliário, e visa buscar alternativas para o reaquecimento do mercado com o objetivo de gerar novas receitas, emprego, trabalho e renda para a população do estado. Na oportunidade serão promovidos painéis de debates e palestras voltadas para mercado imobiliário. O Fórum contará ainda com a palestra do professor, José Carlos Silva, mestre em Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social, que foi convidado para falar para o empresariado local sobre os desafios e oportunidades para 2017.

Os resultados do setor

Veja desempenho das vendas em 2016


Imóveis Residenciais
384 unidades vendidas entre outubro e dezembro.
22,3% foi a queda em relação ao trimestre anterior.

Vendas, por mês:
Outubro:     103
Novembro:     143
Dezembro:     138

Imóveis Comerciais
6 unidades vendidas entre outubro e dezembro.
82,9% foi a queda em relação ao trimestre anterior, quando foram vendidas 35 unidades.

Por tipo de imóvel – Participação em relação ao total de unidades ofertadas (dezembro de 2016)
7,2%     Apartamentos
6,0%     Casas
3,1%     Lote em condomínio
0,8%     Comercial

Por estágio de obra – Participação em relação ao total vendido (dezembro de 2016)
3,9%     Na planta
7,8%     Fundação
3,2%     Estrutura
17,0%   Acabamento
9,6%     Pronto

LANÇAMENTOS - Residenciais

Não foram registrados no trimestre outubro-dezembro de 2016 pelas empresas participantes da pesquisa.

LANÇAMENTOS – Comerciais

Não ocorrem desde outubro de 2014 pelas empresas participantes da pesquisa.

*A pesquisa ouviu 27 empresas associadas ao Sinduscon.

Fonte: Pesquisa

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários