Seturn quer subsídio para pagar salário de motoristas

Publicação: 2020-03-26 00:00:00
A+ A-
Após redução de passageiros por isolamento social para evitar a propagação do Coronavírus, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município do Natal (Seturn) estimou a redução de aproximadamente 79% dos passageiros nos ônibus da cidade do Natal, na semana de 10/03 a 24/03. A queda no fluxo de passageiros interfere diretamente na receita gerada para manutenção e efetividade do transporte público que o natalense utiliza todos os dias. Por isso, os empresários querem auxílio financeiro por parte do Poder Público.

Créditos: Pedro Vitorino


"As empresas de ônibus só estão transportando cerca de 21% de passageiros, isso leva em uma progressão para perder ainda mais usuários diante do estado de pandemia. A conclusão dessa diminuição incorre em prejuízo financeiro", explicou Nilson Queiroga, consultor técnico do Seturn.

A Prefeitura do Natal estipulou mais 46 ônibus, além dos 30% da frota que já estava sendo operada. Segundo o Seturn, esse reforço na quantidade de veículos nos horários de pico, a fim de evitar a aglomeração dentro dos veículos, gera ainda mais consequências. Para manter o equilíbrio das contas, o Sindicato pede que sejam tomadas medidas como as que têm sido realizadas em outros Estados do Brasil, como São Paulo. "A baixa demanda da comunidade natalense em utilizar os ônibus interfere diretamente na tarifa. Pode chegar a faltar pagamento para os operadores e, com isso, eles consequentemente virão a parar suas atividades. A sugestão é que a Prefeitura realize o subsídio desses salários dos motoristas, cobradores e demais trabalhadores envolvidos. A Câmara Municipal pode, inclusive, protocolar em estado de emergência essa solicitação", diz Nilson Queiroga.

Queiroga argumenta que a queda de receita devido à queda da demanda não foi acompanhada de redução de custos variáveis com redução de quilometragem rodada, o que, segundo ele, resulta em desequilíbrio econômico-financeiro continuado. 

"Essa prática tende a inviabilizar a prestação do serviço de transporte público e levar à falência de empresas em um primeiro momento, e do sistema como um todo na sequência", disse o consultor. O pedido será encaminhado pelo Seturn à Prefeitura do Natal.









Deixe seu comentário!

Comentários