Quadrantes
Simplício e o meio berro do Instituto
Publicado: 00:00:00 - 19/12/2021 Atualizado: 11:53:31 - 18/12/2021
Gustavo Sobral e André Felipe Pignataro
SócioS do IHGRN

Simplício era o homem de confiança do afamado e tido por briguento brigadeiro Dendé Arcoverde, senhor de Cunhaú, o último. Homem de posses e valentias, o brigadeiro por certa sabedoria não prescindia de ter a sua escolta e guarda de quem lhe conferisse a confiança cega que se deve ter com os olhos abertos para tudo.

André d'Albuquerque Maranhão Arcoverde (1797-1859), o Dendé, nasceu no engenho Cunhaú, Goianinha, e foi mandado estudar na Europa, precisamente não se sabe onde e quando, e brigadeiro era apelido. Homem bruto sem temer a lei, nem rei, nem Deus, violento, senhor apenas de suas vontades, ódio e vinganças, sua fama correu léguas e ficou no tempo.

Já Simplício (1796-1896) era o cabra de confiança do brigadeiro, mais conhecido por negro Simplício e muito mais que conhecido pelo seu codinome que era Cobra Verde. A valentia já estava no apelido. Cascudo é quem o descreve: Simplício alto, magro, sério, Simplício ágil como vento. 

Simplício, o negro Simplício, o Cobra verde, era o melhor atirador das redondezas, daqueles cuja fama era nunca ter errado um tiro sequer. E a fama trazia a consequência desejada: Simplício além da pouca conversa, era temido. Mas não existia Simplício sem a sua arma, que fora batizada de Meio Berro, e hoje está no Instituto para quem quiser ver.

E se não há registros dos silêncios que causou, há a história bem contada, por Cascudo, de como o Meio Berro veio parar no Instituto. E assim, se explica, Cascudo: um bastardo de Dendé, Afonso Arcoverde, presenteou a arma ao coronel Felipe Ferreira de Mangabeira e este me ofereceu e dei ao Instituto Histórico do Rio Grande do Norte.

Identificado como uma carabina Minié, a arma especial recebeu o nome de Meio Berro pela simples razão da rapidez do seu gatilho. Era meio berro, porque matava uma novilha antes do animal acabar o berro iniciado. Uma ligeireza, haja visto.

E de Simplício foi Cascudo quem apurou e anotou os últimos rastros: com a morte do brigadeiro, Simplício deixou o Rio Grande do Norte e foi morar numa casa no meio do mato, feito um bicho saudoso da solidão e do mistério. Simplício não admitia visitas e sempre andava armado. Jamais falava no nome do seu senhor, a quem adorava. Morreu no dia 25 de dezembro de 1896, quando completava cem anos, data predita por ele como sendo de sua morte. Está sepultado em Mataraca na Paraíba.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte