Sindicato quer presença de Fátima nas negociações

Publicação: 2020-02-04 00:00:00
O Fórum dos Servidores  Públicos do Rio Grande do Norte vai se reunir com a área econômica do governo e o chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves Júnior, amanhã, mas existe uma proposta de só aceitar dialogar com o Executivo caso a governadora Fátima Bezerra esteja presente. “A governadora foi eleita para lutar em defesa dos trabalhadores, não para fugir dos servidores ou ignorar as lutas sociais. Embora continue com essa postura, o sindicato e os trabalhadores do Rio Grande do Norte vão insistir por sua presença”, disse Janeyare Souto, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Direta (Sinsp-RN), que conta com o apoio dos Sindicatos dos Serventuários da Justiça e da Polícia Civil (Sinpol).

Créditos: DivulgaçãoRepresentantes dos sindicatos estiveram nas proximidades da Assembleia LegislativaRepresentantes dos sindicatos estiveram nas proximidades da Assembleia Legislativa
Representantes dos sindicatos estiveram nas proximidades da Assembleia Legislativa

saiba mais

Além das manifestações contra o projeto de reforma da Previdência estadual iniciadas ontem, o Sinsp-RN também propõe que os servidores acampem em frente à casa da governadora Fátima  Bezerra, em Ponta Negra, com um café da manhã.

Paralisação
Os servidores públicos estão fazendo uma greve de 48 horas, que se encerra hoje, contra a reforma previdenciária. Os servidores da saúde estão trabalhando com 30% do efetivo, garantindo serviços essenciais, como emergências, cuidados com internações e Unidades de Terapia Intensiva.

Já a diretora do  Sindicato de Trabalhadores da Saúde do RN (Sindsaúde-RN), Kelly Teixeira, dis que o movimento deve atingir todos os hospitais do Estado, que, consequentemente terão redução nos atendimentos.

Os policiais civis e Servidores da Segurança se reuniram e também decidiram participar da paralisação. Dessa forma, só devem funcionar os serviços de plantão e locais de crime da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). As delegacias devem estar fechadas enquanto os servidores devem se reunir no Sindicato dos Policiais Civis do RN (Sinpol-RN).

Segundo o Sinpol, a categoria somará o movimento estadual a uma paralisação nacional, também em protesto contra a reforma a Previdência. O Sindicato informou que existe uma articulação para conseguir emplacar emendas na PEC Paralela da reforma da Previdência federal, de forma a garantir alguns ajustes que amenizem os prejuízos causados aos policiais civis e outros agentes da Segurança Pública.

Outra área que tem os serviços afetados é a educação. O Sindicato dos Profissionais da Educação (Sinte) também está na paralisação e afirma que “tem lutado para barrar a reforma da previdência do RN junto ao Fórum de Servidores e outras entidades sindicais que representam o funcionalismo público estadual.”

Janeayre Souto afirma que os servidores estão “indignados com essa 'PEC da Morte', que vai promover um confisco no salário dos servidores ativos e principalmente aposentados e pensionistas.” Para a sindicalista, integrante do Fórum de Servidores, que discute a proposta desde dezembro do ano passado, “vai ser uma grande mobilização porque todos temem esse confisco, que é um crime.”

A ausência da governadora Fátima Bezerra (PT) para fazer a leitura da mensagem anual na Assembleia Legislativa do Estado na manhã de ontem,  não inibiu um grupo de servidores públicos estaduais, de montarem acampamento na praça 7 de setembro, em frente ao Palácio José Augusto, sede do Poder Legislativo.

Os servidores  protestam, inclusive com faixas, contra a reforma da previdência estadual, que o governo pretende enviar à votação na Casa logo depois de apresentar a proposta oficialmente ao Fórum dos Servidores amanhã.

Janeayre Souto, lamentou que a governadora do Estado tenha decidido não comparecer à Assembleia, quebrando uma tradição de um chefe do Poder Executivo  fazer uma explanação para os 24 deputados sobre a situação administrativa do Estado: "Ficamos triste, já que a governadora Fátima Bezerra mesmo estando na Governadoria, não recebe o Fórum dos Servidores, apesar de ficar numa sala vizinha e aqui na Assembleia a gente pensava que ia dialogar com ela".

A presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (Aduern), Kelania Freire disse que trata a ausência da governadora  "como positiva", pois "por incrível que pareça o que a gente enxerga , é que a governadora no momento em que precisa  encarar os servidores, ela percebeu que está  falhando  com os trabalhadores do Rio Grande do Norte, e a falta dela aqui hoje, prova isso".

O chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves Júnior, admitiu ontem, durante entrega da mensagem anual na Assembleia, que “as negociações não têm sido fáceis com o Fórum de servidores e nem serão, mas a gente entende que isso é normal”.

A própria governadora disse na mensagem anual, admitia a necessidade de diálogo com os servidores, afirmando, ainda, que “não é justo, nem podemos admitir, que os servidores arquem sozinhos com os custos desse déficit, que não foi criado por eles”.