Sinpol reage à decisão de transferência da Delegacia do Idoso

Publicação: 2011-12-09 18:39:00 | Comentários: 1
A+ A-
O Governo do Estado pretende transferir, a partir da próxima segunda-feira (12) a Delegacia do Idoso para um prédio, onde hoje já funcionam dois serviços improvisadamente: o Plantão  Zona Sul e o CDP (Cadeia de Detenção Provisória) de Candelária. A medida está causando revolta entre servidores e usuários, e provocou medida imediata por parte do SINPOL, que na tarde  desta sexta-feira (09) entrou em contato com a Promotoria do Idoso para reivindicar ações urgentes para evitar a transferência.

A medida foi confirmada pela Degepol, através de seu diretor administrativo, delegado Gustavo Santana, que declarou que não lhes restou outra alternativa, diante do fechamento do atual prédio da Delegacia do Idoso.

O Sinpol adverte para os prejuízos e desrespeito para este público, que merece uma Delegacia que ofereça todas as condições para um atendimento digno ao idoso vítima de violência.  E alerta ainda para o grande risco aos idosos, uma vez que o CDP abriga aproximadamente  100 presos, além das constantes tentativas de fugas, resgates e rebeliões. Isso sem contar com o atendimento da Delegacia de Plantão, que  atende a todo tipo de demanda, e o idoso já vitimado estaria exposto a várias outras situações de violência.

"O acesso é péssimo, quase não tem transporte coletivo naquele trecho. Levar esta Delegacia para aquele prédio é algo inadmissível. Se for confirmada a mudança, o Estado estará assinando um Atestado de desrespeito para com o Idoso", adverte a vice-presidente do SINPOL, Renata Pimenta, que manteve contato telefônico com a promotora Iádia Gama Maia e informa que a representante do Ministério Público disse que não vai admitir que isso aconteça. Ela entraria em contato com Degepol, além de enviar Ofício à governadora Rosalba Ciarlini solicitando providências.

*Com informações do Sinpol

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • guiufpb

    Isto é um exemplo de como - cada um de nós - vamos ser tratados pelo Governo quando envelhecer: Um zé ninguém. Isto é uma vergonha.