Situação financeira do América é considerada preocupante

Publicação: 2021-03-06 00:00:00
O balanço do mês de janeiro comprovou aquilo que o presidente do América, Ricardo Valério, já vinha alertando e apontando para um cenário de dificuldades. Fora da Copa do Nordeste, o Alvirrubro perdeu de cara uma premiação de R$ 1 milhão, além disso ele também continua sem poder dispor da bilheteria nos jogos. Outro baque sentido pela diretoria executiva foi a campanha “sem votos, sem sócios”,  lançada pelas torcidas organizadas e que vem afetando frontalmente a campanha para arregimentação de novos sócios.

Créditos: canindé pereiraSem tantos recursos em caixa para poder investir, o América partiu para aproveitar os jovens revelados na base, como o goleiro LucasSem tantos recursos em caixa para poder investir, o América partiu para aproveitar os jovens revelados na base, como o goleiro Lucas

Quando divulgou o resultado financeiro de dezembro/2020, Ricardo Valério alertou que embora o resultado não tivesse sido desastroso, a situação dali em diante tenderia a se agravar com a continuidade da ausência de renda dos jogos - que representam cerca de 30% das receitas - e aprofundado com a falta de renovação do programa Sócio Torcedor, que para o dirigente será um tiro no pé que a torcida está dando e que, infelizmente, só irá potencializar as dificuldades de caixa a partir do balancete de fevereiro. 

Os resultados de janeiro demonstram que o clube vinha mantendo um fluxo de caixa positivo apesar das finanças "apertadas". O primeiro mês de 2021 apresenta um resultado positivo de quase R$ 108 mil que viabilizaram os pagamentos no último mês. Mas o saldo é oriundo de novas captações de fonte de renda como o programa Nota Potiguar do Governo do Rio Grande do Norte. 

“Respeitamos a livre e soberana decisão de protesto da nossa torcida, mas sem dúvidas nenhuma é um tiro em nossos próprios pés, com consequências devastadoras para o planejamento da nossa diretoria executiva, embora a proposta que fora posta, tenha sido de iniciativa do Conselho Deliberativo e com certeza não tenha tido essa intensão. Mas lembro que quem estará passando as consequências será o executivo e o clube. Assim, em respeito a nossa torcida, estamos tentando intermediar uma melhor situação e com a boa vontade de todos, esperamos buscar uma situação consensual”, disse o presidente do Alvirrubro.

Ricardo Valério reforçou que vem administrando as contas com austeridade e só irá gastar aquilo que o clube tiver condições de pagar.

“Estamos tentando conduzir as dificuldades com muita prudência, inclusive com contenção nos investimentos na montagem do elenco que é 30% mais baixo do que o nosso time anterior. Ainda assim estamos lutando para montar um time competitivo. A arrecadação que tivemos no ano passado da cota da Copa do Nordeste de quase um milhão e meio, que este ano não temos, agravou as nossas finanças ainda mais, limitando maiores investimentos na formação do elenco e pagamento dos nossos compromissos”, destacou.

Na busca de minimizar essa situação, o clube deverá focar seus esforços na Copa do Brasil,  onde o retorno financeiro a cada fase ultrapassada é imediato. “Temos que partir para obtermos uma boa participação na competição, lutando pela passagem de pelo menos duas fases para, somente assim, nos robustecer e partirmos para o desafio do sonhado acesso", disse Valério. 

No que se refere à queda no número de Sócios Torcedores, Ricardo Valério afirma que segue intermediando junto a Conselho Deliberativo, a apresentação de emendas que melhor atenda os anseios de todos os lados. 

“Obviamente que nos preocupa a atual situação que ascendeu a luz vermelha no setor financeiro, no entanto tenho que exaltar a boa vontade que estamos tendo entre todas as correntes, notadamente dos dirigentes do atual conselho, que nos deu abertura para negociar juntamente com nosso ex-presidente e Hermano Morais, uma saída consensual possível”, frisou Ricardo Valério.