Sonhar é o caminho

Publicação: 2019-11-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Rubens Lemos Filho
rubinholemos@gmail.com

coluna 

A partir das 14 horas desta sexta-feira, a Rede Globo e o Sportv vão tentar enganar você transmitindo uma pelada entre  Brasil e Argentina na Arábia Saudita. Messi à parte, um bando de bagulhos tomará conta das telas de TV. Um dos maiores clássicos do mundo está prostituído e sem talento.

Sonhar é o meu caminho e, esta semana, ao ver o noticiário de criação de expectativa enganosa sobre a seleção de Tite, pensei comigo mesmo no que seria um embate entre os maiores craques de cada escrete, todos jogando na bola, samba e tango tocando juntos em plena harmonia de ritmo e competência. Sonhar é ressuscitar mortos ilustres e enterrar pernas de pau incuráveis.

Sonhei assim. Jogo no Monumental de Nuñez por exigência dos portenhos, exagerando na agressão contra os brasileiros: “Hijos de puta macaquitos del Brasil”, gritava Maradona puxando o coro de 90 mil pessoas no estádio do River Plate.

O Brasil, treinado por Telê Santana, sem teimosia, estava escalado com extrema ofensividade: Taffarel; Leandro, Carlos Alberto Torres(capitão), Nilton Santos(recuado para a quarta-zaga) e Marinho Chagas; Gerson, Didi e Zico; Garrincha, Pelé e Romário.

Na reserva(do meu sonho), Gilmar no gol, Djalma Santos, Mauro Ramos de Oliveira, Aldair e Júnior; Falcão, Geovani e Rivellino; Jairzinho, Tostão e Rivaldo.

Os Hermanos vinham com um timaço: Fillol; Olguin, Ramos Delgado,Passarella  e Sorin ; Brindisi, Maradona e Ardiles; Messi, Di Stéfano e Oscar Más. Alguns reservas fantásticos: Cejas para o gol, Tarantini para as laterais, Perfumo para a defesa, Labruna, Fernando Redondo, Lostau, Sívori e Mário Kempes para o meio-campo e o ataque.

A Argentina escolhe a bola e o Brasil fica com o campo. Batido o centro, Pelé avança sobre Di Stéfano, toma-lhe a pelota e lança para Leandro na direita. Pelé faz a jogada e corre para a grande área. Leandro encontra Zico e este toca para Garrincha. Mané dança diante de Sorin.

Prevenido, o defensor argentino apenas espera, sem se antecipar, suicídio de todos os laterais que tentaram parar Garrincha. Garrincha parte para cima. Finge correr pela direita, sai pela esquerda e joga a bola por entre as pernas de Passarella, que estava na cobertura.

Garrincha cruza e Pelé espera a bola para amaciá-la no peito. Ameaça o chute e dribla Ramos Delgado. Quase na pequena área, dá de calcanhar por cima de Fillol, que saía de carrinho para atingí-lo. Brasil 1x0.

 O meio-campo argentino trama e os três gênios atacantes pedem bola. Ardiles escapa pela meia-direita e enfia com efeito para Di Stéfano bater seco, no canto esquerdo de Taffarel. Explode o Monumental de Nuñez.

 Gerson fuma em campo, serve a Didi que lhe devolve e o lançamento para Marinho Chagas é medido por régua. Marinho ganha de Olguín e joga na área. Romário se antecipa e faz Brasil 2x1. O baixinho sai comemorando com o dedo indicador direito na boca, sacaneando a torcida calada de raiva.

 Menotti grita para Messi recuar ao meio e o baixinho arranca em velocidade até tabelar com Di Stéfano e fuzilar Taffarel: Brasil 2x2 Argentina. Maradona, visivelmente enciumado, acerta Didi e leva um murro de Gerson. Em sonho não existe expulsão.

 O jogo passa a ser travado no meio-campo com Didi administrando o tempo e a ginga. Até os 42 do segundo tempo, quando Zico e Pelé saem tabelando da intermediária. Romário faz o pivô e, num drible só, leva Ramos Delgado e Passarella.

O Rei Pelé recebe e mata Cejas, que substituíra Fillol, com um balaço de canhota. Final, Brasil 3x2 Argentina e o Papa Francisco, na Tribuna de Honra, abençoando cada um dos boleiros fantásticos. Depois do meu sonho, esse Brasil x Argentina de hoje é digno de um funk de qualidade zero.

Vasco
A força de mortos ilustres fez o Vasco ser bravura e raça contra o Flamengo(4x4). Daniel González, Dener, Jorginho Carvoeiro, Clebson e Pai Santana salvaram o Machão da Gama. Não, eu não vi o jogo. Foi medo mesmo. 

Retificação
Ou nem tanto. O replantio do gramado na Vila Olímpica do ABC será o do CT Alberi. Mas a própria direção admitiu fazer o mesmo serviço no Frasqueirão, onde parte da cobertura das cadeiras especiais caiu este ano durante um jogo.

Torneio Início
Seria uma boa a Federação de Futebol reativar o Torneio Inicio, charme delicioso. Numa tarde, todos os times jogando em sistema mata-mata e , em caso de empate, disputa por pênaltis.

Os pequenos
No  Torneio Inicio que os pequenos se atreviam a ganhar dos grandes. Fechavam-se em retranca durante os dois tempos de 15 minutos e, em contra-ataques, faziam a festa.

Esportes
A Prefeitura de Natal está movimentando os bairros com campeonatos de futebol. Bom.

América
O técnico Waguinho Dias garante que o time está pronto. Muita confiança.





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários