Sopro diferentão na cidade

Publicação: 2018-04-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O mais “diferentão” entre os instrumentos de sopro, o trombone é também um dos mais versáteis em seu território sonoro. De sexta-feira até domingo, Natal será tomada pela música desses metais cheios de ritmo, durante o 6º Encontro de Trombonistas do Rio Grande do Norte, na Escola de Música da UFRN.

Nomes ilustres e respeitados do instrumento se reúnem em apresentações no auditório da Escola de Música e no projeto Som da Mata
Nomes ilustres e respeitados do instrumento se reúnem em apresentações no auditório da Escola de Música e no projeto Som da Mata

O evento reúne músicos renomados do Estado, do Brasil e do exterior, numa troca de vivências,  informações e musicalidades. Enquanto os músicos tocam e discutem entre mesas redondas, workshops e masterclasses, o público poderá apreciar os concertos abertos no fim do dia – além do encerramento no Parque das Dunas, durante o projeto Som da Mata de domingo.

“Muita gente ainda acha que o trombone é um instrumento barulhento que só serve para acompanhar os outros. Os concertos são uma chance de mostrar que isso não é verdade”, afirma Gilvando Pereira, professor e coordenador geral do evento. Ele ressalta que os trombones também podem fazer solos e produzirem melodias suaves e belas como qualquer outro sopro. “É o instrumento que mais se aproxima da voz humana. A versatilidade dele é incrível”, completa.

Segundo Gilvando, o objetivo maior do Encontro é promover várias formas de interação, seja entre os próprios trombonistas, seja entre o público e os músicos. “A gente fala das perspectivas para os músicos, as técnicas, os intercâmbios de conhecimento, ensina, e fomenta o aumento de público. É muita coisa boa acontecendo ao longo de três dias”, afirma. A programação conta com nomes ilustres e respeitados do instrumento, como Ricardo Santos e Raphael Paixão, da Orquestra Thein Brass, e Tchesco Carvalho, da Orquestra Sinfônica da UFC.

O maestro Gilberto Cabral e o Coral de Trombones
O maestro Gilberto Cabral e o Coral de Trombones

Concertos
A versatilidade do trombone vai se refletir nos repertórios dos concertos, afirma Gilvando. “Em cada apresentação a gente vai do erudito ao jazz, passando pela música brasileira em todas as suas vertentes, entre maracatu, chorinho e frevo. Aqui no Nordeste, em especial, a gente aprecia ressaltar nossas raízes musicais”, diz.

O concerto da sexta, a partir das 19h30, no auditório da EMUFRN, terá o som eclético do grupo Jerimum Jazz, professores convidados como solistas, além de recital TriBones, do coral de trombonistas da UFRN. No sábado terá recital de Marlon Barros, mais Ricardo Santos e Raphael Paixão, e banda sinfônica da Escola de Música da UFRN. Sempre com acesso gratuito.

O encerramento do Encontro, no Som da Mata, será uma verdadeira rendição sonora ao trombone. O melhor da música instrumental será executado pelo mestre em Práticas Interpretativas pela Universidade Federal da Paraíba, Gilvando Azeitona, junto com o músico da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal do Ceará (UFC), Thesco de Carvalho, e o Coral de Trombones da UFRN.

Criado em 1998, o Coral de Trombones da UFRN surgiu de um trabalho realizado com os alunos da escola de música da UFRN. Desde então, formou-se o grupo que atualmente conta com 20 integrantes e tem participação em eventos como Dia do Trombone em João Pessoa/PB, XXII Festival Brasileiro de Trombonistas em Manaus/AM e 6º Encontro de Trombonistas do RN.

Serviço:
6º Encontro de Trombonistas do Rio Grande do Norte. De sexta a domingo na EMUFRN, e encerramento durante o projeto Som da Mata, de domingo, no Parque das Dunas.

Acesso gratuito.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários