Souza revela sua missão no salvamento do América

Publicação: 2009-12-02 00:00:00
A+ A-
O processo de sucessão presidencial no América vem sendo responsável pelo adiamento de algumas decisões importantes. Nenhum dos atletas foi procurado ainda para tratar da renovação contratual assim como Souza não sabe se ficará no cargo de superintendente de futebol na próxima temporada. O atleta que revelou ter chegado ao clube com a missão de amenizar o clima quente entre os jogadores, só tem uma certeza: vai assumir o comando das divisões de base em 2010.

Souza ainda não sabe qual será sua função na futura diretoriaQuestionado sobre o futuro próximo, o novo trabalho nas bases foi a única certeza que Souza pôde dar. Quanto a sua experiência como dirigente, o ex-camisa dez americano disse que não pôde exercer a função na essência da palavra. “Cheguei num momento que não podia mais contratar, após um treinador pedir demissão alegando falta de compromisso do grupo. Além do apelo da diretoria, atendi também o pedido dos próprios jogadores e minha maior função foi evitar que o clima pegasse fogo”, disse Souza salientando que vai aguardar os rumos da política alvirrubra para definir a sua situação.

O ex-técnico Francisco Diá ressaltou que é testemunha do clima de harmonia que imperou no grupo a partir da chegada dos novos membros da cúpula do futebol. “Não senti o ambiente ruim em nenhum momento, mas ele que vinha há mais tempo deve ter notado algo. O papel de Souza nessa campanha foi muito importante, a presença dele junto ao futebol foi justamente para evitar qualquer possibilidade de racha no elenco, já que todos os jogadores possuem muito respeito pela figura dele”, afirmou.

Atuando como assessor da presidência, João Maria Belmont também disse que as acusações de Artur Neto abalaram o elenco, já que a diretoria fez questão que a justificativa para o seu pedido de demissão fosse repassado diretamente aos jogadores. Mas ele acredita que embora delicado, o momento tenha servido para dar mais força ao elenco.

“Não foi apenas a apresentação do treinador Francisco Diá que mudou o clima. Ocorreu um conjunto de situações que fez o grupo se unir mais. A chegada de Alex Padang, Paulinho Freire e Ricardo Bezerra, representou um sentido de união que se espalhou por todo o elenco. Diá teve habilidade para ganhar aatletas e quem ganhou com isso foi o próprio América” destacou João Belmont.