Sr Petita, um café cheio de histórias

Publicação: 2019-08-23 00:00:00
A+ A-
Numa ruazinha antiga e tranquila da Cidade Alta tem um lugar cheio de sabor pra oferecer. Aberto há pouco menos de um mês, o café Sr. Petita é uma novidade que tem muita história pra contar. Há mais de 50 anos o local foi uma bodega, até que os membros mais novos da família resolveram dar uma nova cara ao espaço, repaginando, mas conservando sua personalidade.

Créditos: Arquivo/TNNutricionistas Luan Medeiros e esposa Bruna Farias trazem no novo negócio as referências familiaresNutricionistas Luan Medeiros e esposa Bruna Farias trazem no novo negócio as referências familiares
Nutricionistas Luan Medeiros e esposa Bruna Farias trazem no novo negócio as referências familiares

O Petita que dá nome ao café foi o antigo proprietário, sogro do pai de Luan Medeiros, o novo proprietário que comanda a casa, ao lado da esposa Bruna Farias. “A bodega já estava bem decaída quando o Petita faleceu. Mas era a vida dele. Mesmo com a saúde debilitada ele fazia questão de abrir. Quando ele se foi, a gente não quis fechar o local, daí veio a ideia do café”, conta.

Luan e Bruna, ambos nutricionistas da área clínica, pensaram em criar um espaço simples mas aconchegante, e que trabalhasse bons petiscos para um público mais exigente que trabalha e circula pelo centro. “A gente abriu um café com produtos de qualidade, preços justos, e que oferecesse algo que outros pontos da área não tivessem”, afirma.

Créditos: Arquivo/TNCafé recupera antiga bodega da Cidade AltaCafé recupera antiga bodega da Cidade Alta
Café recupera antiga bodega da Cidade Alta

O famoso pastel de Tangará foi uma das iguarias trazidas para o café. Acabou virando o carro-chefe do cardápio, com recheios de carne se sol na nata, carne moída, frango com catupiry, e queijo coalho. Ao lado disso também tem coxinha, folhados, croissant, empada de camarão, e pastel integral de forno. Da parte doce tem brownie, alfajor, pudim, rocambole e bolinhos. Tudo que combina com os cafés coado, pingado, carioca, expresso, cappuccino, e chocolatto.

Há ainda as guloseimas produzidas na casa. Casos dos sanduíches na baguete artesanal, com as variedades ‘paulista’ (queijo prato e fatias generosas de mortadela), ‘cabra da peste’ (carne de sol na manteiga, queijo coalho e cebola caramelizada), na chapa (com manteiga de ervas), ‘Estates’ (ovos, queijo prato, presunto de peru e tomate), ‘italianinho’ (antepasto de tomate e manjericão, muçarela e rúcula), e ‘vaca louca’ (carne de panela desfiada e muçarela).

As tapiocas também contam com os mesmo recheios dos sanduíches – mas com o adendo da versão integral, que leva linhaça e chia na goma. Estas têm os recheios de frango com ricota (peito de frango desfiado) e caprese (tomate, manjericão, muçarela e rúcula). “É o lado nutricionista falando alto”, brinca. Luan ressalta que há planos futuros de pôr refeições no cardápio.

Créditos: Arquivo/TNPastel de Tangará ganha versão natalense no Sr PetitaPastel de Tangará ganha versão natalense no Sr Petita
Pastel de Tangará ganha versão natalense no Sr Petita

O Sr. Petita mantém o clima pacato e aconchegante da rua onde se encontra. Luan conta que fez poucas alterações na estrutura, conservando o piso original, e conservando uma arca colonial de madeira, que virou item de decoração. No sábado, ocasião em que o café vai até mais tarde, por causa dos sambas do centro, algumas mesas são postas na calçada. A boemia pede um cafezinho.

Serviço:
Sr. Petita. Rua Voluntários da Pátria, 672, Cidade Alta. Aberto de segunda à sexta das 8 às 18h, e sábados das 18 às 22h. Tel.: 99154-9544.





Deixe seu comentário!

Comentários