Sucessão de causos

Publicação: 2019-12-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Valério Mesquita
mesquita.valerio@gmail.com

Quantas figuras, desconhecidas ainda, do folclore político e social não existem perdidas por esse Rio Grande do Norte afora? Uma delas é Bolo-Bolo de Caicó. Pelo apelido não resta duvidas que fosse um exímio criador de casos e causos. Seu Chico de Caicó era um velho respeitável que levava a vida a sério e não admitia brincadeiras. Certa manhã, em pleno centro da cidade, aguardava a hora de retornar à zona rural, onde residia, quando, propositadamente, foi abordado por um brincalhão: “Seu Chico, que horas são?”. “Dez e meia, filho”, responde o velho. “Eita, faltam trinta minutos para o senhor dar o c...”. Num arranco, seu Chico partiu para pegar o zombador que se escafedeu em desabalada carreira. Lá, na frente, deu uma trombada logo em quem? Quem? Quem? Bolo-Bolo. Ao ouvir de seu Chico o motivo da carreira, Bolo-Bolo saiu-se com esse repente: “Mas, Chico, que pressa é essa, se ainda falta meia hora?”.

Bolo-Bolo, certa vez, foi instado por uma mulher a lhe devolver um rádio e o ameaçou de levá-lo à policia. Resposta debochada do folclórico desempregado caicoense: “Pode ir. Quando for à Polícia veja se me arranja lá um lugar de cabo!”.

Bolo-Bolo vendia jornais em Caicó. Na vila militar, onde residiam os suboficiais e oficiais do Batalhão de Engenharia do Exército, no tempo da Revolução, Bolo-Bolo fazia suspense na rua para vender mais jornais. “Olha aí, veja a nova relação dos militares cassados pelo AI-5!!”. Assustadas, as esposas dos militares procuravam saber em qual dos jornais estava a relação. Bolo-Bolo, assumindo um ar arrogante, sentenciava: “Tem que comprar os dois (Diário de Natal e Tribuna do Norte) pois não sei qual o que traz a relação!!”.

Caicó, mais uma vez em cena. Era o ano de 1976, quando a campanha municipal corria frouxa mais furibunda para não dizer perigosa. Pelo lado do PDS Irami Araújo era o candidato sofrido, marcado pela agressividade dos seus adversários. A coisa chegou a tal ponto que o vereador Antônio Bernardino ligou diretamente para o senador Dinarte Mariz a fim de mandar reforços para o policiamento da cidade. Dia seguinte chegou uma tropa de choque da PM que foi logo mandando brasa e dissolvendo reuniões políticas tanto de gregos quanto de troianos. O próprio vereador Bernardino, quando apartava uma briga, levou uma traulitada “tão democrática” e segura nos testículos que foi se queixar ao staff político: “Irami, que erro cometemos por ter chamado essa tropa de choque! Levei agora um chute no meu baixo ventre que acho até que atingiu a potência!!”.

Em Caicó, nos bons tempos em que Álvaro Dias e Vivaldo Costa eram correligionários, Renato Dias, irmão do então deputado estadual Álvaro Dias, discursava inflamado na praça pública elogiando o Papa. “Vivaldo”, proclamava Renato, “é um político que defende com unhas e dentes os interesses da nossa região. E quando se trata de defender Caicó ele tem vontade de mamar em onça!”. Ao seu lado, Vivaldo cochichou: “Menos Renato, menos. Em onça pequena sim, mas onça grande eu tenho é medo!”.

Na penosa travessia dos caminhos do sertão potiguar há sempre tempo para especulações no mercado de importações. Em Baixa do Meio, lugarejo próximo a Macau, o secretário de articulação política do governo José Maria Melo mostrava-se atento à paisagem. Logo apontou ao companheiro Newton Azevedo então presidente da CAERN, a fachada de uma lojinha com os dizeres: “Vende-se Importados”. Newton riu e jogou toda a sua fama de estradeiro de longo curso nesse comentário: “Conheço essas lojinhas do interior. De artigo importado só têm mesmo pão francês, cavaco chinês, bolacha japonesa, periquito australiano, melão espanhol, melão japonês, molho inglês inharé... etc, etc”.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários