Suspeitos de planejar a morte de F. Gomes vão a julgamento nesta segunda

Publicação: 2019-04-15 08:51:00 | Comentários: 0
A+ A-
Os acusados de planejar a morte do radialista Francisco Gomes de Medeiros, conhecido como F. Gomes, vão a julgamento na manhã desta segunda-feira (15), no Fórum Desembargador Miguel Seabra Fagundes, em Lagoa Nova, Zona Sul de Natal. Após quatro adiamentos, o ex-pastor evangélico Gilson Neudo Soares do Amaral e o comerciante Lailson Lopes, 'O Gordo da Rodoviária', serão julgados por um júri popular unificado. Os dois são acusados de encomendar e planejar o assassinato do comunicador que aconteceu no dia 18 de outubro de 2010, em Caicó, região Seridó do estado.

O jornalista e radialista conhecido como F. Gomes, foi assassinado em 18 de outubro de 2010
O radialista foi assassinado em 2010 na cidade de Caicó

No dia 27 de março deste ano, em julgamento previsto, o júri foi adiado após Lailson se recusar a ser defendido pela Defensoria Público do Estado e acabou preso. Nesta ocasião, a sessão já havia iniciado. Gilson estava detido e aguardava apenas o julgamento, mas voltou ao sistema prisional após o julgamento ser adiado novamente. Em 2017, Lailson dispensou também um advogado durante o julgamento.

Em maio de 2012, a então delegada Sheila Freitas, da Divisão Especializada em Investigações e Combate ao Crime Organizado (Deicor), confirmou que F. Gomes teria sido assassinado a mando de pessoas que formaram um “consórcio” para financiar o crime. Segundo ela, esse “consórcio” seria responsável por angariar R$ 10 mil e repassar a João Francisco dos Santos, o Dão, autor confesso do assassinato e que está preso. De acordo com a delegada, o “consórcio” seria formado pelo advogado Rivaldo Dantas de Farias, pelo ex-pastor evangélico Gilson Neudo Soares do Amaral e pelo comerciante Lailson Lopes. Citados naquele ano na investigação, o tenente-coronel Marcos Antônio de Jesus Moreira e o soldado da Polícia Militar Evandro Medeiros acabaram excluídos do processo.

Após vários depoimentos ao delegado Ronaldo Gomes, que presidia o inquérito à época, Dão afirmou que tinha jurado de morte o comunicador desde 2007, quando foi preso por roubo qualificado depois de denúncia feita por F. Gomes.

Memória
O jornalista e radialista Francisco Gomes de Medeiros, mais conhecido como F. Gomes, foi assassinado na noite do dia 18 de outubro de 2010, na cidade de Caicó. Ele estava na calçada de casa, na rua Professor Viana, no bairro Paraíba, quando um homem chegou numa moto e abriu fogo. Atingido por três tiros fatais, foi levado para o Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos. F. Gomes tinha 46 anos, era casado com Eliane Gomes e pai de 3 filhos.

Após vários depoimentos ao delegado Ronaldo Gomes, que presidia o inquérito à época, Dão afirmou que tinha jurado de morte o comunicador desde 2007, quando foi preso por roubo qualificado depois de denúncia feita por F. Gomes.



ERRAMOS: A reportagem acima — sobre o assassinato do radialista Francisco Gomes de Medeiros, conhecido como “F. Gomes” — foi atualizada para retificação de informação quanto às citações relativas às pessoas de Marcos Antônio de Jesus Moreira e Evandro Medeiros, à época militares da Polícia Militar do Rio Grande do Norte. Originalmente, a matéria supracitada tratava os dois militares como partes ainda integrantes da ação criminal, citando-os como membros do suposto consórcio formado para financiar o homicídio. Mas em reportagem publicada no dia 5 de abril de 2016, a TRIBUNA DO NORTE já havia informado que ambos tinham sido excluídos do processo que tramita na Justiça Estadual.


Atualizada às 16h25 do dia 20/09/2019












continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários