Taxa de desocupação no RN cai 0,8% no último trimestre de 2019

Publicação: 2020-02-14 15:37:00 | Comentários: 0
A+ A-
A taxa de desocupação no Rio Grande do Norte caiu de 13,4% no quarto trimestre de 2018 para 12,6% no mesmo período de 2019. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (14) e são considerados estáveis pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE.

Em todo o país, a taxa de desocupação no 4º trimestre de 2019 foi de 11,0%, caindo 0,6 ponto percentual em relação ao mesmo trimestre de 2018 (11,6%).
Créditos: Marcello Casal Jr./Agência BrasilCarteira de TrabalhoCarteira de Trabalho

Considerando-se as variações estaticamente significativas em relação ao mesmo trimestre de 2018, houve quedas em sete UFs: Amapá (-4,1%), Alagoas (-2,3%), Maranhão (-1,9%), Pernambuco (-1,4%), Rio de Janeiro (-1,1%), São Paulo (-0,9%) e Santa Catarina (-1,0%) e aumento apenas em Goiás (2.2%), com estabilidade nas demais.

A população ocupada cresceu em 23 unidades da federação. Apesar da queda da taxa de desemprego e da ocupação, 20 estados tiveram taxa recorde de informalidade, isto é, os empregados sem carteiras, os trabalhadores por conta própria sem CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e os familiares auxiliares. A maior taxa foi anotada no Pará (62,4%), bem acima da média brasileira (41,1%). Atualmente, há no país 12,6 milhões de desempregados.

Informalidade cresce


Segundo a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy, o aumento do emprego no país tem sido puxado pelo crescimento da informalidade. “Em vários estados a gente observa que a taxa de informalidade é superior ao crescimento da população ocupada. No Brasil, do acréscimo de 1,819 milhão de pessoas ocupadas, um milhão é de pessoas na condição de trabalhador informal”, afirmou.

Na passagem do terceiro para o quarto trimestre de 2019, a taxa de desemprego caiu em nove unidades da federação, com destaque para Maranhão (que recuou de 14,1% para 12,1%) e Pará (caiu de 11,2% para 9,2%). Nos demais estados, manteve-se estável.

Deixe seu comentário!

Comentários