Economia
Tesouro estima que dívida pública em 2022 pode subir para até R$ 6,4 trilhões
Publicado: 00:00:00 - 27/01/2022 Atualizado: 21:34:39 - 26/01/2022
Brasília (AE) - O Tesouro Nacional apresentou nesta quarta-feira (26) o Plano Anual de Financiamento (PAF) de 2022, com as metas para a gestão da Dívida Pública Federal (DPF) neste ano. O documento estipula que o estoque da DPF fique entre R$ 6 trilhões e R$ 6,4 trilhões até o fim deste ano. Em 2021, o estoque da DPF ficou em R$ 5,613 trilhões.

Para os papéis remunerados pela Selic, o PAF prevê uma participação de 38% a 42% em 2022, o que possivelmente significará uma ampliação da fatia desses papéis, que encerraram 2021 em 36,8%. No ano passado, as bandas para esses títulos eram de 33% a 37%.

O órgão também apresenta expectativa de menor volume de emissões de títulos prefixado. O PAF 2022 estipula que a participação de títulos prefixados no estoque da DPF encerre este ano entre 24% e 28%, intervalo menor que o fixado no ano passado (31% a 35%). A fatia desses papéis encerrou 2021 em 28,9%.
Já para os títulos que seguem a variação da inflação, o PAF prevê uma parcela de 27% a 31% do estoque para 2022. No ano passado, a meta para esses papéis ia de 26% a 30% da DPF, e o registrado efetivamente no fim de 2021 foi 29,3%.

O plano anual estipula que os papéis atrelados ao câmbio devem ficar entre 3% e 7% do estoque, mesma fatia prevista em 2021, quando ficaram em 5,0%.
O PAF de 2022 também traz parâmetros para o porcentual de vencimentos da DPF em 12 meses, devendo chegar ao fim do ano entre 19% e 23% do estoque. No ano passado, o PAF estipulou um intervalo entre 22% e 27%.

Para este ano, o prazo médio da DPF deve ficar entre 3,80 anos e 4,20 anos. Em 2021, o PAF previa limite mínimo de 3,40 anos e máximo de 3,80 anos.

Financiamento

A necessidade líquida de financiamento do governo federal neste ano é de R$ 1,234 trilhão, de acordo com o PAF de 2022, divulgado pelo Tesouro. Parte desses recursos será destinada a cobrir o rombo nas contas públicas. Os vencimentos da DPF neste ano somam R$ 1,310 trilhão, e o Tesouro afirmou que conta com uma reserva de liquidez em reais suficiente para cobrir o serviço de principal e juros da dívida interna em mercado. 

Segundo o Tesouro, o PAF de 2022 busca a manutenção de níveis prudentes de recursos em caixa para a cobertura de despesas, a mitigação de risco de refinanciamento da dívida pública e a garantia de funcionalidade do mercado de títulos, "mantendo a flexibilidade necessária para se adequar às eventuais mudanças de cenários".

'Colchão da dívida'

O Tesouro informou ainda que encerrou 2021 com R$ 1,185 trilhão no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor é 8,11% maior em termos nominais que o montante de R$ 1,096 trilhão que estava na reserva em novembro e 34,56% maior que o observado no fim de 2020 (R$ 881,28 bilhões).

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte