Teste expôs algumas falhas de logística e infraestrutura

Publicação: 2014-01-28 00:00:00 | Comentários: 4
A+ A-
Roberto Lucena e Valdir Julião
repórteres

A rodada dupla de inauguração definitiva da Arena das Dunas teve aspecto de teste para a administração do estádio e expôs pequenas falhas de logística, organização e infraestutura na nova praça esportiva. Enquanto a bola rolava no campo, na tarde do último domingo, operários realizaram alguns reparos em alguns setores para garantir a funcionalidade do estádio. Nada que tenha comprometido a presença do público, mas dentro do espirito de “teste”, aspectos que precisam ser revistos para não gerar reclamações ou problemas.
Adriano AbreuEm alguns pontos, a espuma térmica instalada está à mostra e falta parte da cobertura metálicaEm alguns pontos, a espuma térmica instalada está à mostra e falta parte da cobertura metálica

O setor destinado à Polícia Militar foi um dos que mais demandou agilidade dos operários. O problema maior, detectado assim que os policiais chegaram ao local, foi a falta de ventilação. Sem ventiladores ou aparelhos de ar condicionado associado à alta temperatura e fardamento dos policiais, a permanência no local era quase impraticável.

O setor de triagem, onde há três carceragens, era o mais quente. Em outra sala, onde os homens do Batalhão de Choque (BP Choque) estavam acomodados, a administração providenciou alguns ventiladores, mas a manobra não solucionou o problema. De última hora, adquiriram um aparelho de ar condicionado móvel para ser instalado no local. Para tanto, foi necessário abrir um buraco na parede.

Na sala da polícia Civil, o problema foi a falta de computadores para os agentes. Além disso, o delegado Luiz Fernando, da 14ª DP discutiu com funcionários que não liberaram a entrada dele no estádio. “Estou de plantão e simplesmente não querem liberar minha entrada. Como pode?”, questionou à reportagem. Lucena tentava entrar ao local pela entrada destinada à imprensa. “Tentei entrar por outros setores e fui impedido da mesma forma”, explicou.

Apesar de o estádio ter sido inaugurado oficialmente na última quarta-feira pela presidenta Dilma Rousseff, a estrutura do local não está 100% pronta. Parte da cobertura ainda falta ser colocada. Em alguns pontos, a espuma térmica instalada está à mostra. Prova de que reparos são necessários foi o fato de que, ontem pela manhã, funcionários usavam guindastes ao redor da Arena.

No estacionamento interno do estádio, mais problemas. Tapumes à mostra e operários circulando com capacetes denunciavam a existência de obras. Em alguns pontos, era possível observar poças de água e areia acumulada. A reportagem também flagrou algumas lâmpadas apagadas em pontos importantes como escadas. O sistema sonoro de detecção de incêndio foi acionado algumas vezes desnecessariamente. Na arquibancada destinada à torcida do ABC, uma placa de vidro estava danificada. Funcionários da Arena não souberam informar o que havia acontecido.

Já na área destinada às lanchonetes, alguns guichês de venda de senhas estavam às escuras. Filas constantes, preços “salgados” e até mesmo água quente irritaram torcedores. A certa altura, uma das lanchonetes deixou de servir cachorro-quente. “O preço é alto e a água está quente. Esperava um atendimento melhor”, disse o professor Josenildo Fernandes.

Antes do início da rodada dupla, enquanto visitava o setor de camarotes ao lado do presidente do Consórcio Arena das Dunas, Charles Maia, a governadora Rosalba Ciarlini  afirmou que os jogos daquele dia seriam um “grande teste”. “Vamos melhorando com o passar do tempo”, disse Charles Maia.

Antes da festa, disparos e dois presos
A polícia prendeu na tarde do último domingo, 26, momentos antes da inauguração da Arena das Dunas, dois jovens acusados de atirar contra torcedores do América, em via pública, nas proximidades do estádio. Ninguém se feriu. Os presos foram identificados como sendo João Batista Moura Filho e Arthur Martins de Souza, ambos de 21 anos.

O ataque aconteceu por volta das 14h, quando os acusados passavam num Gol de cor branca e efetuaram cerca de dez disparos contra os torcedores, em seguida se evadiram do local. Nenhum torcedor foi atingido. Testemunhas anotaram a placa do veículo e acionaram a polícia. Policiais militares da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) abordaram a dupla nas proximidades da Igreja Universal, localizada na Avenida Senador Salgado Filho, e deram voz de prisão.

Eles foram encaminhados para a Delegacia de Plantão da Zona Sul, onde foram autuados em flagrante por tentativa de homicídio. As armas usadas pelos acusados, sendo um revólver calibre 38 e uma pistola calibre .380  foram jogadas em cima de um telhado de uma academia nas proximidades do crime, sendo apreendidas pela polícia em seguida.

Segundo as investigações da Polícia Civil, eles não fazem parte de torcida organizada, no entanto, foi encontrado uma camisa do ABC dentro do carro deles. Os dois confessaram ter atirado contra os torcedores, mas não revelaram a origem das armas.

Em depoimento, a dupla alegou que havia sido provocada pelas vítimas, que teriam jogado uma pedra contra o veículo deles. Um dos acusados já tem passagem pela polícia por crime de lesão corporal. A dupla permanece presa aguardando decisão da Justiça.

Trânsito tranquilo, apesar das obras de mobilidade
Mesmo com as obras de mobilidade urbana no entorno do estádio Arena das Dunas, na avenida Prudente de Morais e próximo da avenida Romualdo Galvão, o trânsito de veículos durante a sua abertura para o futebol, na tarde de domingo (26), transcorreu com certa tranquilidade.

O inspetor de trânsito da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, Carlos Eugênio Barbosa, houve uma certa dificuldade “por causa da invasão das margens da Romualdo Galvão pelos vendedores ambulantes, mas não tinham como removê-los porque essa não era atribuição da Semob”.

Para facilitar o fluxo naquela ocasião, ele informava que teve de recorrer aos “amarelinhos” nos cruzamentos daquela rua com a Miguel Castro e Morais Navarro” para orientar e dar vazão ao trânsito, apesar da existência de semáforos.

Já o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Aliatha Gibson, afirmou no princípio “houve um certo tumulto”, em decorrência também dos camelôs terem ocupado a faixa lateral da marginal da BR-101.

“Mas, nos próximos eventos isso não pode acontecer”, dizia ele, a respeito do fato que, inadvertidamente, alguns carros também foram estacionados próximo aos portões do estádio, pelo lado da marginal

Por causa disso, a PRF saiu identificando alguns veículos, cujos proprietários foram multados. A assessoria de imprensa da PRF informou, através do inspetor Everaldo Morais, que apenas um carro chegou a ser guinchado, mas ainda ontem apareceu o dono e o carro foi devolvido.

A guarda municipal também chegou a encostar um caminhão-guincho para remover as motocicletas que ficaram estacionadas na marginal da BR-101, mas tão logo terminou os dois jogos, os donos foram aparecendo e levando os veiculos.

O Corpo de Bombeiros também  colocou-se de prontidão com três viaturas, sendo que sargento José Filgueira informou que não houve necessidade do uso da ambulância, nem da brigada contra incêndio ou uso da equipe que é usada na retirada de pessoas presas em ferragens no caso de acidentes de carros.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • fernando.eliastj

    Parabéns ao jornal Tribuna do Norte, que foram os únicos que tiveram a coragem de expor os problemas de um estádio inaugurado sem estar pronto, enquanto certos meios de comunicação querem colocar guela abaixo do povo potiguar que aquele estádio já está 100% pronto, a cobertura está mais mal feita e mal acabada que telhado de barraco de favela, essa mania de se inaugurar obras sem estarem prontas é o que faz o Brasil ser este país cheio de problemas em que vivemos, construir, não terminar, inaugurar e deixar por isso mesmo, é assim que funciona assim.

  • chagascassiano

    Não sei o porque do espanto sobra as falhas na infraestrutura do estádio, a não ser que, quem escreveu essa matéria nunca tenha passado pelo local, pois qualquer pessoa, que passasse diante do estádio, mesmo a mais desatenta, percebia a falta de conclusão da cobertura, essa mesma que aparece na fotografia, quase todas estão assim, inacabadas. Quanto aos problemas lá por dentro, nada posso dizer, nunca entrei, nem tive vontade de ir ver de perto, o que não estava pronto. Como ainda tem muito tempo, até o dia dos jogos da Copa do Mundo, tudo estará concluído, quem manda é a FIFA, e estamos conversado. Amém.

  • maclaren_rn

    Juntemos a isso a "pré venda" de ingressos pela internet, num site que não deixava que as pessoas pudessem se cadastrar, a falta absurda de um telefone para contato e que pudesse tirar as duvidas de quem gostaria de estar nesta data. Como pode alguem organizar um evento desta magnitude e não destinar nenhum telefone ao interessado? Além disso cobrar R$15,00 por estacionamento, onde pensam que estão, Suiça?? O maior Shoping da cidade não cobra estacionamento! Uma tarifa menor não faria com que o Natalense estacionasse seu veiculo em ruas adjacentes. Outro absurdo sem tamanho é cobrar valores exorbitantes em um lanche sem sabor, e pasmen R$3,00 em copinho de agua quente!! Esses administradores da Arena das Dunas precisam melhorar e muito se quiserem que o torcedor frequente seus eventos.

  • gustavomedeiros1

    Normal. Em qualquer lugar do mundo acontece essas coisas. Daí está a importância de inaugurar antes para corrigir os erros antes da copa.