Testemunha conta como ocorreram assalto e estupro

Publicação: 2009-12-23 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
Uma das vítimas do assalto à granja do Roni, em Olho D´agua dos Carrilhos, São Gonçalo do Amarante concedeu entrevista exclusiva para a Tribuna do Norte, na tarde de ontem. A mulher que terá a identidade preservada será chamada de Fernanda. Ela conta detalhes da ação da quadrilha, somente revelados, em depoimento, à polícia. Diferente do que foi divulgado na imprensa foram cinco assaltantes e não quatro homens que invadiram a granja na madrugada do domingo passado. Das seis mulheres que estavam no local, duas não foram estupradas. Uma delas  estava menstruada e a outra estaria grávida. Segundo Fernanda, a gravidez foi uma mentira. “Ela não está grávida foi uma forma que nossa amiga encontrou para não ser violentada. Deu certo”.

Delegada Sheila Freitas foi designada para apurar o crimeFernanda lembra que a festa de confraternização para 40 pessoas,  a maioria, funcionários de um supermercado, localizado na zona norte de Natal seria realizada no domingo (20). No sábado, 14 pessoas haviam ido até à granja para preparar o local para o evento.

De acordo com a mulher, a granja foi escolhida por causa da piscina e também porque, no local, o som poderia permanecer alto até à noite. “Pagamos R$ 180 pelo aluguel da granja e, depois de deixar tudo arrumado para a festa,  quando estávamos indo embora fomos abordados pelos assaltantes”. Fernanda afirma que era 01h45 da madrugada do domingo, quando três homens invadiram a granja pela frente e dois chegaram por trás. Os bandidos estavam armados,  supostamente, com revólveres e pistolas.

Todos foram obrigados a se deitar no chão do jardim, depois foram levados para perto da churrasqueira, posteriormente, seguiram até um dos quartos. “Lá  tivemos que tirar a roupa. Apenas uma das mulheres ficou de calcinha, pois, estava menstruada”.  Em seguida, as mulheres foram separadas dos homens. Um dos bandidos ficou no quarto com os rapazes e o outro ficou em outro quarto com as mulheres.  Fernanda lembra do pior momento que já passou na vida. “O assaltante que estava no quarto determinou que uma mulher de cada vez fosse até à cozinha. Lá, cada uma teve que mostrar o corpo para um dos bandidos”.

Atendendo a ordem do criminoso, após mostrar o corpo de frente e de costas, cada uma era obrigada a voltar ao quarto. Por ordem, mais uma vez, cada uma delas foi obrigada a ir novamente até à cozinha. “Neste  momento começou a violência sexual. Pelo menos, duas delas foram violentadas mais de uma vez. Escutei uma das garotas  chorando, mas não podíamos fazer nada”.

Fernanda não sabe precisar se todos os envolvidos no assalto cometeram o estupro. “Quatro mulheres foram violentadas. Eles eram cinco. Sei que um deles não conseguiu consumar o ato porque a garota chorava muito”, lamenta.

Uma delas foi estuprada no jardim. “Foram cerca de uma hora e meia na mão dos assaltantes. Estamos muito  assustados com o que aconteceu. Algumas garotas não voltaram ainda ao trabalho diante da violência sofrida”, diz Fernanda ainda atordoada com os momentos de terror que passou.

Todos os assaltantes usavam capuzes, luvas, calça jeans, jaquetas, tênis e, possivelmente, coletes à prova de balas. “Tive a impressão que estavam de colete. Não tenho certeza. Acho que se vestiram desta forma para não serem reconhecidos. Só conseguíamos ver os olhos”.

Um detalhe chamou a atenção da vítima. Um dos assaltantes teria reconhecido uma das garotas. “Ele falou que sempre via a jovem indo para o colégio. Que sentia desejo e que queria vê-la nua”. Um dos criminosos teria dito: “Vocês são de longe e estão vadiando por aqui? O bandido teria citado uma localidade no litoral Norte, onde algumas vítimas moram.

De acordo com informações da delegada Sheila Freitas, titular da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (Defur), designada para apurar o crime, após a divulgação do assalto na mídia, muitas pessoas estão telefonando para a polícia. “Todas as informações estão sendo checadas, porém algumas não procedem. Não deixamos nada escapar. Ainda é prematuro falar algo”.

Sheila que preside o inquérito policial, explica que vítimas de violência sexual ficam muito traumatizadas e confirma: “Algumas delas foram  violentadas mais de uma vez”.      

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • dianamsoares

    ISSO É O FIM , SÓ EM LER FICO TREMENDO, DEUS FAZ JUSTIÇA OU CEDO OU TARDE ELES PODEM ESPERAR ELES PAGAM ,CHEGO ATER TER UM PINGUINHO DE PENA OLHE QUE O DELES ESTAR GUARDADO.

  • karlamvcorreia

    À polícia: confio na inteligência e na competência da polícia civil do RN. Isso n pode ficar impune. Esses caras nao sao criminosos, são bichos selvagens. Desçam a marretada qd pegarem essas pestes. E lá na cadeia.... bem, lá na cadeia tem quem queira eles tb.

  • naudonit

    Acredito que deixei Natal na hora certa, engarrafamentos, sinais dessincronizados, adolescentes armados, bandidos invadindo festas, preço de gasolina mais alto que no estado vizinho, ônibus com chassi adulterado (não condizente com a placa), buracos em vias principais sem a devida sinalização (ou de frente ao Padre Miguelinho não é uma via principal, importante e de grande movimento?), bem como estradas com buracos (BR-304 em algum ponto provocou grave acidente dias atrás)...só para lembrar alguns dos problemas daí. Neste casso, espero que descubram logo os bandidos que perpetraram essas atrocidades, em casos como esses deveria ser autorizada a escuta telefônica, só para começar. Se alguém tiver alguma informação, ligue para o (84) 4006-6115, não se deve ser omisso, pois amanhã poderá ser outro (inclusive você)! Um abraço e um bom final de semana e feliz Natal/Ano Novo. Tchau.

  • robertocarlos5

    Acredito que essa competente delegada ira encontrar esses bandidos. Espero que revidem a ação da policia e sejam mortos antes de presos, só assim a sociedade se livrara das despesas carcerarias e o cidadão de bem se livrara das impunidades da justiça que todo dia bota esses marginais na rua ou as vezes nem botam pois as penas chegam a prescrever.

  • verarolim

    Faço das palavras do colega acima: A POPULAÇÃO TEM O DEVER DE DENUNCIAR TODA E QUALQUER INFORMAÇÃO QUE LEVE A PRISÃO DESTES MONSTROS. POIS JÁ É HUMILHANTE SER ASSALTADO IMAGINE PASSAR PELO QUE ESSAS MULHERES PASSARAM. TENHO VERGONHA DE SER UMA CIDADÃ QUE PAGA SEUS IMPOSTOS E SÓ VÊ AS AUTORIDADES PREOCUPADAS EM CRIAR EVENTOS COMO COPA DO MUNDO, OLIMPÍADAS SEM CUIDAR DA SEGURAÇA DO POVO E TER QUE VER ABSURDOS COMO ESSE SENDO NOTICIADOS TODOS OS DIAS.

  • joseromildo

    Meu Deus que coisa horrivel, como o ser humano pode chegar a um ponto desse.Mais eu tenho fé em Jesus que é pai e nossa senhora que é mae, que essa delegada sera iluminada para resolver este caso.