Timaço em Natal

Publicação: 2021-01-27 00:00:00
Rubens Lemos Filho
rubinholemos@gmail.com

Fez 39 anos ontem( 26/01), da primeira partida da seleção brasileira em Natal. Logo o time dos sonhos desfeitos por Paolo Rossi no Mundial da Espanha em 5 julho de 1982.  A partida em Natal contra a Alemanha Oriental ou Socialista resolveria os últimos dilemas de Telê Santana. Sócrates, machucado, não veio.

Créditos: Divulgação

Foram convocados os goleiros Valdir Peres (São Paulo) e Paulo Sérgio (Botafogo); os laterais Leandro (Flamengo), Perivaldo (Botafogo), Júnior (Flamengo) e Pedrinho (Vasco); os zagueiros Oscar (São Paulo), Juninho (Ponte Preta), Luisinho (Atlético-MG) e Edinho (Fluminense); os volantes Cerezo (Atlético-MG) e Rocha (Botafogo); os meias Zico (Flamengo), Adílio (Flamengo), Renato (São Paulo) e Paulo Isidoro (Grêmio); os centroavantes Roberto Dinamite (Vasco) e Serginho Chulapa (São Paulo); e o ponta- esquerda Mário Sérgio(São Paulo). 

O escrete ficou hospedado no Hotel Ducal, esquina da Rua João Pessoa com a Avenida Rio Branco, centro da cidade, Dois jovens professores de educação física, João Café Carneiro França(filho do ex-deputado Erivan França)  flamenguista fanático, e José Jamilson Martins, vascaíno, haviam lançado em Natal uma campanha de combate aos males do cigarro, percorrendo escolas e emissoras de rádio para divulgar os riscos do fumo para a saúde. 

Decidiram arriscar e tomar o depoimento do maior ídolo do país. Montaram plantão na calçada do hotel Ducal, espreitando, através das portas de vidro transparente, qualquer movimento que indicasse a presença do Galinho. 

Zico apareceu para dar tchauzinho aos torcedores, e os gritos de Café e Jamilson se perderam na algazarra geral. Até que o flamenguista Café usou da esperteza: 
— Arthur, Arthur, precisamos 
falar com você! 

O maior craque brasileiro desde a despedida de Pelé ia entrando no elevador e reagiu surpreso à chamada pelo prenome (Arthur Antunes de Coimba é o nome completo). Olhou desconfiado e mandou chamar os atrevidos, vestidos em roupas típicas de professores de educação física. 

Simpático, Zico atendeu a Café e a Jamilson, que registram o depoimento no gravador parecido com tijolo de oito furos, e despediu-se. A entrevista, depois de exibida pela rádio Cabugi, acabou perdida pelos dois furões, péssimos historiadores. 

O treino da seleção brasileira no Castelão foi fechado. À noite, Telê autorizou leves exercícios e chutes a gol. Escalou o time com Valdir Peres; Leandro, Oscar, Luisinho e Júnior; Cerezo, Renato e Zico; Paulo Isidoro, Roberto Dinamite e Mário Sérgio.

Os alemães orientais não receberam qualquer atenção do público. Estavam bem perto dos brasileiros, no Othon, localizado a cerca de 300 metros, onde hoje funciona a Secretaria Municipal de Administração, próxima ao Museu Câmara Cascudo, antigo Quartel General do Exército. Tudo no Centro,  pertinho, bem província. 

Às 16 horas do dia 26 de janeiro de 1982, mais de 30 mil pessoas ocupavam o Castelão em seu dia mais importante. Gente do Rio Grande do Norte, da Paraíba, do Ceará, de Pernambuco. Bombeiros disparavam jatos de água nas arquibancadas para espantar o calor que alucinava a galera. 

A transmissão ao vivo pela TV Globo Recife para Natal,  foi autorizada quando  48.638 ingressos estavam vendidos, público oficial e o quinto maior da história do estádio. 

Os alemães abriram o placar em chute indefensável de Dorner, aos 34 minutos do primeiro tempo, no gol do placar. Paulo Isidoro empatou quatro minutos depois. 

Zico brindou o povão com lançamento precioso para Renato desempatar aos 7 minutos do segundo tempo. Em sua jogada característica, Serginho Chulapa, a desgraça mais tarde na Copa, usou o corpanzil, girou e bateu seco e rasteiro, aos 34 minutos, fechando o placar em Brasil 3x1 Alemanha Oriental. Sinal de nula atenção defensiva, fatal na Copa. 

A ficha técnica do jogo: Brasil 3x1 Alemanha Oriental – Estádio: Castelo Branco – Natal(RN) – 26/01/1982 – Público: 48.638 pagantes; – Gols: Doerner, Paulo Isidoro, Renato e Serginho Chulapa. 

Escalações – Brasil: Valdir Peres; Leandro, Oscar, Luisinho e Júnior (Pedrinho); Cerezo, Renato e Zico; Paulo Isidoro, Roberto Dinamite (Serginho Chulapa) e Mário Sérgio. Alemanha Oriental: Rudwaleit; Trieloff, Ullrich (Strozniack), Schnuphase e Baum; Liebers, Hause (Steinbach) e Dorner; Pommerenke, Streich (Doschner) e Trocha (Heun). 

Orgulho 
Americano de sangue, o jornalista potiguar Roberto Homem de Siqueira, do quadro efetivo e concursado do Senado desde 1998, assumiu a assessoria de imprensa da Senadora Leila Barros(PSB/DF), a Leila do Vôlei. 

Competência 
A competência sem estridência de Bob Man, como nós, seus amigos chegados, o chamamos, garante qualidade e segurança à senadora. A família de Bob Man participou da fundação do América há 105 anos(fará 106 em julho) e ele acompanha tudo do clube lá do Planalto. 

ABC 
Contratar também para Série D é antídoto contra chantagem do “se surgir um clube acima, rescindo”. 

Dor 
A queda do avião matando o piloto e quatro jogadores do Palmos de Tocantins, diz muito sobre a luta desigual contra a morte no Brasil. A cada 30 braçadas, chegam 300 ondas com fatos trágicos. E haja fôlego, se tiver respirador. 

Soberba nossa 
A coluna subestimou o Floresta(PE), finalista da Série D, após eliminar o América e o time de melhor campanha fora de casa, o Novorizontino(SP).  








Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.