TN Business debate importância da agropecuária no RN

Publicação: 2020-09-27 00:00:00
Na edição da última quarta-feira (23), a live da TN Business, comandado pelo consultor Flávio Oliveira teve a participação do presidente da Associação Norte Riograndense de Criadores (ANORC), Marcelo Passos. O tema da conversa foi a importância do agronegócio no processo de retomada da economia no Rio Grande do Norte.

Créditos: Reprodução/Tribuna do NorteFlávio Oliveira e Marcelo Passos debateram temas relevantes para a agropecuária do EstadoFlávio Oliveira e Marcelo Passos debateram temas relevantes para a agropecuária do Estado

Na ocasião, Marcelo Passos afirmou que o Estado vive um “processo anêmico" no setor agropecuarista antes mesmo do início da pandemia do novo coronavírus. Nas palavras dele, essa situação já existe há, pelo menos, dez anos. “Nós só vamos crescer se tivermos um olhar diferenciado para o homem do campo. E faz com o que? Faz com crédito e tecnologia", declarou Marcelo Passos.

Para ele, a agropecuária é um setor que carece de atenção e que, ao mesmo tempo, é um diferencial do Rio Grande do Norte. Marcelo citou o melão como o principal item da pauta exportadora do Estado. A fruta, que teve a sua primeira carga enviada para a China na semana passada, indica o potencial do negócio do campo na economia potiguar.

Outras atividades dentro da agropecuária podem despontar como colaboradores importantes para a produção interna local. Algumas delas já funcionam, mas ainda em caráter “clandestino", como relatou o presidente da Anorc.

Um exemplo citado na conversa entre Marcelo Passos e Flávio Oliveira foi o caso das queijeiras artesanais. A Lei Nivardo Mello, aprovada na Assembleia Legislativa do Estado em 2017, objetivou a regularização de mais 300 unidades de produção. Com isso, elas deixam de operar na informalidade, ganham selo de qualidade, pagam impostos, geram emprego e renda, além de garantirem a segurança alimentar dos consumidores.

“A gente precisa sair dessa questão do déficit fiscal e olhar para o empreendedorismo, olhar para o setor primário e dizer 'esse Rio Grande do Norte dá certo'", enfatizou Marcelo Passos.

Com o olhar sensível para causas como essa, as expectativas para o futuro são boas. A seca, uma dificuldade que o Rio Grande do Norte vinha passando há poucos anos atrás, vai ganhar aliados com a Transposição do Rio São Francisco e a finalização da Barragem de Oiticica.

Clandestinidade

O combate à informalidade permeou a conversa durante toda a live. Assim como no caso das queijeiras, Marcelo também tocou no ponto da produção de carnes. Ele acredita na capacidade potiguar de poder sanar parte da sua demanda, e o fato da maioria dos frios serem importados de outros Estados ou países o incomoda de certa maneira. Mas, o representante da Anorc deixou claro que não quer acabar com a importação da proteína no Estado.

A maneira como o setor opera na clandestinidade é o alvo da crítica. Isso porque, dessa forma, as carnes não podem ser vendidas no mercado formal. Logo, não serão encontradas em supermercados e restaurantes.

Para essa lógica ser alterada, a produção tem de ser formalizada. E esse desafio pode contar com a atenção e medidas do poder público.  Na live, Marcelo Passos informou que, num cenário pós-pandemia, o Rio Grande do Norte deverá abrir dois abatedouros privados nos próximos 24 meses.

Festa do Boi

Evento tradicional para produtores rurais e pecuaristas do Rio Grande do Norte e demais Estados brasileiros, a Festa do Boi vai acontecer virtualmente na sua 58ª edição. Organizada pela Anorc, a festa teve as atividades presenciais canceladas devido à pandemia.

“Quando a gente viu a pandemia e percebeu que não tinha um protocolo seguro para eventos populares, nós aguardamos até julho. Aí eu vi que a gente iria correr muito risco", disse o presidente da Anorc.

O circuito de programações da festa em novo formato está sendo definido e deve ser divulgado em breve. A previsão é de que o evento volte na edição do ano que vem a contar com atividades presenciais no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, onde tradicionalmente acontece. No entanto, Marcelo Passos afirmou que o modelo virtual também será mantido.

Leia também: