Torneio volta ameaçado por crise

Publicação: 2020-07-22 00:00:00
O Campeonato Paulista recomeça hoje com elencos enfraquecidos, clubes com dificuldades financeiras e o risco de ações trabalhistas. Um dos exemplos deste impacto é o Santos. Somente nos últimos dias o goleiro Everson e o atacante Eduardo Sasha entraram na Justiça para se desvincular da equipe por acumularem meses de atraso salarial, uma situação que por causa da pandemia pode se tornar ainda mais comum entre os times.

Créditos: Cesar Greco/PalmeirasBruno Henrique relembrou o gol que marcou no último dueloBruno Henrique relembrou o gol que marcou no último duelo


A Lei Pelé permite que os jogadores encerrem o contrato em vigor com o clube caso exista um atraso salarial total ou em parte de pelo menos três meses. Essa condição permitiu aos dois santistas se movimentarem para procurarem outra equipe. Procurado pela reportagem, o Santos não se manifestou sobre o tema. Há o risco de mais jogadores do elenco pedirem para sair. E a situação de atrasos se repete também em outros grandes do futebol paulista: Corinthians e São Paulo.

Segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, os efeitos econômicos da pandemia e a política dos times em reduzir os salários deve fazer com que casos parecidos ao do Santos apareçam. "Nós já temos informações de times que não fizeram reduções salariais ou suspensão contratual da maneira correta, mas sim em um processo atropelado, só com um comum acordo entre as partes e sem encaminhar nada ao governo", avisou o advogado do Sindicato de Atletas de São Paulo (Sapesp), Guilherme Martorelli.

Para outro advogado, o especialista em direito desportivo Higor Bellini, os clubes devem ter mais problemas trabalhistas com jogadores por terem deixado muitas brechas nos acordos costurados durante a pandemia. "A redução salarial deveria ser no mínimo proporcional à redução da carga de trabalho, mas não foi porque a maioria dos atletas, teve de continuar a trabalhar de casa", disse. "Os atletas vão perceber que não os únicos a entrar com a ação trabalhista, e não sendo o primeiro caso, o impacto junto às torcidas será menor. Isso retira o receio de acionar a Justiça", explicou.

O Corinthians também admitiu ter passado por problemas financeiros com o elenco. São três meses de atraso. No entanto, o presidente do clube, Andrés Sanchez, garante que vai conseguir quitar as pendências. "O problema é a falta de fluxo de caixa. Adiantaram cotas de televisão e tudo isso tem de começar a pagar A dívida é problema, déficit é problema, mas não é que o Corinthians vai fechar amanhã ou está falido", afirmou.