Três policiais militares são presos por suspeita de envolvimento na morte de Giovani Gabriel

Publicação: 2020-09-18 09:17:00
A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriu três mandados de prisão temporária em desfavor de três policiais militares investigados pelo homicídio do jovem Giovani Gabriel de Souza Gomes que, no próximo sábado, 19 de setembro, faria 19 anos de idade. As prisões foram um desdobramento da Operação “Romanos 12:19”, que já havia resultado na prisão de um policial militar no dia 19 de agosto deste ano. Os quatro suspeitos são lotados no município de Goianinha, 56 km distante da capital potiguar. A investigação da Polícia Civil aponta que o primeiro policial preso orientou e acompanhou à distância a execução do jovem.
Créditos: Reprodução/FacebookGabriel tinha 18 anos, foi confundido com criminoso e mortoGabriel tinha 18 anos, foi confundido com criminoso e morto

As investigações revelaram que, após o roubo do veículo pertencente ao irmão de um dos policiais militares que foram presos, o sargento em questão acionou colegas para “dar apoio ao irmão na recuperação do veículo”, que possuía rastreador. De acordo com informações da Polícia Civil, diversos policiais foram contactados para atender a ocorrência, deslocando-se até a região, que não necessariamente era sua região de patrulha, para ajudar nas buscas. Durante a procura, uma guarnição da PM teria chegado ao local onde o veículo estava, e presenciou o momento em que os criminosos retiravam pertences do veículo.

Ao avistarem a viatura, os suspeitos do roubo fugiram na direção da mata. Os policiais continuaram as buscas e, enquanto procuravam os criminosos, se depararam com Giovani Gabriel, que ia de bicicleta para a casa da namorada, em Parnamirim. De acordo com a Polícia, os PMs abordaram Gabriel e “se certificaram de sua história”, liberando o jovem momentos depois. Quando saiu do local onde estava, Gabriel foi visto por moradores da região, que avisaram que um jovem saíra da mata a outra viatura que fazia buscas no local.

Nessa viatura, estavam os três cabos da PM presos nesta quinta-feira (17), que haviam sido acionados pelo sargento inicialmente. Os militares abordaram Gabriel, que chegou a informar aos policiais que já havia sido liberado pela outra viatura; mas, mesmo assim, o jovem foi colocado na mala do veículo, sendo este o último momento em que foi visto com vida.

As investigações apontam que os três policiais executaram a vítima e se deslocaram até o município de São José do Mipibu, onde deixaram o corpo, que foi encontrado no dia 14 de junho, em uma região de mata na comunidade Pau Brasil, a 30 km de Natal e a 20 km de Parnamirim. Gabriel passou 9 dias desaparecido, com familiares e amigos mobilizando buscas, antes de ter seu corpo encontrado, em estado avançado de decomposição.

De acordo com as investigações, os três cabos que estavam na viatura, desde o momento que abordaram Gabriel, mantiveram “um estreito processo de comunicação com o sargento, irmão da vítima do crime de roubo em Parnamirim”. Tal comunicação, de acordo com a polícia, indica que o organizador da operação tinha pleno conhecimento dos fatos, e participação ativa no homicídio, pois, ainda de acordo com as investigações, o sargento chegou a agradecer aos três cabos presos, em grupo de WhatsApp, todo o apoio prestado.
   
Dois dos policiais estavam de serviço e foram presos após se apresentarem ao Comando Geral e o terceiro suspeito foi preso em sua residência. Dessa forma, foram identificados e presos todos os envolvidos no homicídio de Giovani Gabriel. Com a prorrogação da cautelar, o Inquérito deve ser concluído no prazo de 30 (trinta) dias, restando pendente apenas os laudos periciais e a análise de  dados para a finalização da investigação.

O nome da Operação “Romanos 12:19”, faz referência ao versículo bíblico que trata sobre a vingança, e diz: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor”.

Sobre o caso

Giovani Gabriel foi visto pela última vez na manhã do dia 5 de junho deste ano, quando saiu de casa no bairro Guarapes, em Natal, para ir de bicicleta à casa da namorada em Parnamirim. Na semana seguinte ao desaparecimento, os policiais civis chegaram a encontrar suas sandálias e a bicicleta em uma área de vegetação em Parnamirim, próxima à casa da namorada. O corpo do jovem Gabriel foi encontrado no dia 14 de junho, em uma região de mata na comunidade Pau Brasil, em São José de Mipibu - a 30 km de Natal e a 20 km de Parnamirim. De acordo com as investigações, o crime de homicídio provavelmente ocorreu logo após o jovem Gabriel ser confundido com um suspeito da prática de um crime de roubo de um veículo, no bairro de Emaús, no município de Parnamirim.