Trabalho

Publicação: 2019-05-01 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Itamar Ciríaco/ itamar@tribunadonorte.com.br

Hoje, dia do Trabalhador, achei por bem tocar nesse assunto aqui na coluna, como já o fiz no Blog, no portal Tribuna do Norte. Apesar de não ser um dado preciso, a própria Confederação Brasileira de Futebol – CBF contesta, a FENAPAF – Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol – divulgou que, em 2018, cerca de 18 mil jogadores estavam desempregados no País. A desigualdade social e consequentemente de salários reproduz, no meio do futebol, a realidade dos trabalhadores em geral no Brasil e em partes do mundo.

Trabalho 1
Enquanto boa parte dos atletas tenta se reacomodar em clubes espalhados pelo Brasil, após o fim dos Campeonatos Estaduais, uma das notícias mais lidas e comentadas do momento é a indisponibilidade de um jato e de um helicóptero de Neymar, determinada pela justiça para quitação de débitos tributários do jogador. Ou seja, enquanto se discute socialismo de botequim e capitalismo de mesa de bar, cresce a distância entre os mais ricos e mais pobres, a desigualdade de pagamento entre atletas homens e mulheres, a falta de apoio ao paradesporto e a discriminação de toda espécie.

Trabalho 2
No jogo da vida (com licença do uso do termo meu amigo Emerson Amaral) fica claro que se um atleta recebe bilhões, em outra ponta alguém ficará sem nada. Não se discute a grana paga à estrela, nesse caso, o dinheiro investido é privado e seu gasto não nos interessa. No entanto, a não existência de políticas públicas para diminuição  da desigualdade, para a proteção do ser humano nos chama atenção. O atleta, assim como qualquer outro, é um trabalhador que precisa ter deveres e direitos, mas que, acima de tudo precisa ter proteção e garantias asseguradas.

Gol de placa
O Governo do Estado e os clubes, ABC e América fecharam uma parceria para a troca de ingressos a partir da apresentação de notas fiscais emitidas no Rio Grande do Norte. O processo faz parte do programa “Nota Potiguar” que foi lançado justo na decisão entre os clubes, no Campeonato Estadual.

Gol de placa 1
Além de movimentar as arquibancadas, a intenção do programa é fomentar a educação fiscal entre os contribuintes do Estado. A exigência de nota, por parte do cidadão, faz com que a arrecadação cresça e esse dinheiro é revertido ao próprio cidadão em forma de obras e serviços essenciais para a população.

Gol de placa 2
O primeiro jogo a ser contemplado será o do ABC no dia 18 de maio [ABC x Botafogo/PB, no Frasqueirão]. O América passará a ser beneficiado pelo programa a partir do jogo contra o Serrano, abrindo os confrontos da volta pela primeira fase da Série D do Campeonato Brasileiro. Essa partida está marcada para o dia 9 de junho às 18h, na Arena das Dunas.

Arena América
Diante do fechamento dessa parceria com o Governo e de algumas exigências do Corpo de Bombeiros que ainda precisam ser adequadas pelo América, fica mais longe a possibilidade de inauguração do estádio americano em um jogo da Série D deste Campeonato Brasileiro. O marketing do clube trabalha a todo vapor para ter mais de 10 mil torcedores na estreia, o que não caberia na Arena em Parnamirim. Para isso, o clube precisaria investir em estruturas móveis, cujos custos são altos. Ou seja, numa época em que precisa de dinheiro, não dá para tirar recursos para outras atividades, o “cobertor é curto”.

Arena América 1
Além disso, com a presença dos torcedores que irão trocar a nota fiscal por vagas nas arquibancadas, menos espaço sobrará para quem for comprar o ingresso cheio, ou seja, quanto menor o espaço pior para o clube. Sem contar com o risco em relação aos planos de sócio-torcedor, que precisam estar bem elaborados para evitar a fuga de possíveis associados. A solução, para a abertura da Arena América seria algum amistoso, ou aguardar a temporada 2020, com o Campeonato Potiguar.

Prejuízo à imagem
Além da perda da vida humana, que não tem como quantificar o seu valor, o Flamengo ainda precisa lidar com outras perdas devido aquele acidente que vitimou atletas da categoria de base no Centro de Treinamento do Rubro-Negro, no Rio de Janeiro. Um dos prejuízos diz respeito à imagem. Ontem, o clube foi desfiliado (desassociado) do Instituto Ethos. O Instituto trabalha com o objetivo de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, tornando-as parceiras na construção de uma sociedade justa e sustentável. Isso melhora a imagem das instituições na busca por parceiros, os famosos patrocinadores.

Prejuízo à imagem 1
A decisão se deu após procedimento de análise de possível descumprimento da Carta de Princípios do Ethos, por parte do clube, no incêndio ocorrido no Centro de Treinamento (CT), que ocasionou a morte de 10 jovens. “Tentamos manter um diálogo próximo, por meio do encaminhamento de ofício para entender a visão e o comportamento do Flamengo diante dos fatos e entender a visão do clube em relação à sua responsabilidade e aos princípios estabelecidos na carta”, declara Caio Magri, diretor-presidente do Ethos, e completa: “Infelizmente, apesar do ofício enviado e de contato telefônico, não obtivemos qualquer retorno”.




continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários