Tremor de terra registrado no oceano neste domingo não traz riscos, diz UFRN

Publicação: 2019-08-05 10:53:00
Técnicos do Laboratório Sismológico (LabSis), da UFRN, afirmaram nesta segunda-feira (5) que é boato a informação de que um maremoto registrado na noite do domingo (4), a mais de 1 mil quilômetros do litoral potiguar, possa ocasionar uma tsunami. O evento geológico de 5,8 graus na Escala Richter, na dorsal mesoatlântica, tem magnitude comum àquela região amplamente monitorada.
Créditos: Fernando ChiribogaTerra do Mar abrange 410 km de faixa do litoral potiguarTerra do Mar abrange 410 km de faixa do litoral potiguar
Para o pesquisador do Labsis, Eduardo Menezes, o tipo de deslocamento das placas naquela região é normalmente transversal e dificilmente resulta em evento secundário como grandes ondas em deslocamento rumo ao continente.

"Tomamos conhecimento desse boato. Mas, se o evento foi às 21h40 desse domingo (4), essa suposta onda já teria chegado aqui, tantas horas depois. Não procede. É boato", afirma.

A região é monitorada por uma rede internacional de captação de eventos sísmicos e que, no continente, também há monitoramento a partir de equipamentos instalados pela UFRN.

O tremor

O Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte registrou um tremor de terra de 5,8 graus de magnitude na escala Richter na costa do estado. De acordo com o laboratório, o epicentro foi a 740 km de distância de Fernando de Noronha, 1.100 km de distância do litoral Potiguar e 100 km a Leste do Arquipélago de São Pedro e São Paulo.

O evento foi registrado por várias redes sismográficas mundiais e também por aquelas que fazem parte da rede no Brasil. Ainda de acordo com o laboratório da UFRN, o hipocentro do tremor teve profundidade estimada em 10 km e a movimentação da falha foi do tipo sem rejeito (deslocamento) vertical. Eventos com esse tipo de movimentação não têm potencial de gerar tsunamis, ressalta a nota divulgada pelo laboratório.


Leia também: