TRT-RN reverte justa causa de empregada acusada de furtar calça jeans

Publicação: 2019-02-12 15:57:00 | Comentários: 0
A+ A-
O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) reverteu demissão por justa causa de ex-empregada de uma loja de departamento da capital potiguar acusada de furtar uma calça jeans. A decisão manteve julgamento anterior da 5ª Vara de Natal (RN). A empresa recorreu da decisão ao tribunal.

Coordenadoria do TRT atualizou valores, que são individualizados

De acordo com a assessoria de comunicação do TRT-RN,  a ex-empregada alegou em sua defesa ter sido contratada como assessora, prestando serviço durante onze anos na empresa, entre julho de 2007 e outubro de 2018, quando foi dispensada por justa causa, sob a acusação de ter furtado uma calça jeans.

O desembargador Ricardo Luís Espindola Borges, relator do processo no TRT-RN, citou em sua decisão o julgamento da 5ª Vara de Natal, que entendeu não haver prova do furto que justificasse a justa causa.

O caso
Para comprovar o possível delito praticado pela ex-empregada, a empresa apresentou vídeo com imagens do circuito interno da loja, mostrando ela retirando uma calça jeans, experimentando no provador, arrancando a etiqueta do produto e indo embora ainda vestida com o jeans. A ex-empregada afirmou, no entanto, que nesse dia, estava para sair de casa quando “a calça rompeu e não dava tempo de tirar tênis, etc, voltou e colocou calça jeans dentro da mochila que usa todos os dias”.

Chegando à loja, ela teria guardada as coisas no armário e depois “foi ao vestiário, tirou o tênis, legging, vestiu a calça jeans e desceu rápido”.  A ex-empregada explicou, ainda, que tinha “etiqueta grudada na calça, mas tinha comprado outra unidade da loja no Centro e que a compra teria sido paga em espécie, “não dispondo da nota fiscal”.

De acordo com a Vara, a empresa limitou-se a apresentar o vídeo, que, por si só, não seria suficiente para “concluir de forma cabal” de que houve o furto, até porque o vídeo também se amoldaria às explicações apresentadas pela ex-empregada. Ainda segundo a sentença da 5ª Vara, não houve a constatação de qualquer irregularidade no vestiário quando do fim do expediente, apesar de feita a vistoria ordinária e diária.

O desembargador Ricardo Espíndola Borges concluiu que os fundamentos para o afastamento da ex-empregada foram todos “minuciosamente expostos” na decisão de primeiro grau, que constatou que a empresa “deixou de comprovar o ato que deu ensejo à justa causa”.

Com informações do TRT-RN





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários