Um pé na música outro na praia

Publicação: 2018-10-17 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter

Um banho de mar, um banho de sol, um banho de música. Neste segundo semestre, duas praias badaladas – uma do litoral norte, outra do litoral sul –, receberão eventos musicais focados no jazz. Em São Miguel do Gostoso, o Araçá Festival Gostoso será realizado pela primeira vez e de cara traz na programação uma mescla de jovens talentos da música instrumental e veteranos da noite natalense. Já no município de Tibau do Sul, o Fest Bossa Jazz retorna à praia da Pipa com proposta completamente diferente das edições anteriores.

Espaço Makani, na beira da praia de São Miguel do Gostoso,inaugura durante o  Araçá Festival Gostoso
Espaço Makani, na beira da praia de São Miguel do Gostoso,inaugura durante o Araçá Festival Gostoso

O Festival Araçá Gostoso será realizado neste sábado (20), das 16h às 22h30, no Makani Praia, um charmoso restaurante bar localizado entre as praias da Xepa e do Maceió. O evento é uma ideia das produtoras Suzy Leal e Tati Fernandes, duas apaixonadas pela praia do litoral norte potiguar. Segundo Suzy, que ultimamente tem passado mais tempo em Gostoso que em Natal, falta no lugar uma programação musical. “A gente vê os restaurantes, o movimento de turistas, mas sentimos uma carência na programação cultural, principalmente na parte de música”, conta a produtora. “Antigamente não era assim. Rolava muito jazz quando o Manoca morava por aqui”.

Suzy cita o grande compositor e guitarrista potiguar Manoca Barreto, falecido em 2013. Ele tinha uma casa de praia em Gostoso e não raro costumava trazer uma turma de músicos para tocar entre amigos. “Já fui algumas vezes lá e o clima era muito legal”, recorda. Foi por causa das lembranças daquelas reuniões regadas à boa música na casa de Manoca que Suzy e Tati pensaram o festival, que, não por acaso, presta uma justa homenagem ao mestre guitarrista nesta primeira edição. “O nome do festival também tem a ver com ele. Em sua casa tem um pé de araçá, uma frutinha que parece uma goiaba pequena. Ele tem até uma música chamada 'Pé de Araçá'”.

A programação do evento conta com quatro atrações: Mad Dogs (com a participação do vocalista Paulinho, da banda Revolver), Cantones – grupo criado por músicos professores da Escola de Música da UFRN que se dedicam ao estudo do jazz –, o multinstrumentista Jubileu Filho e a banda da Ong Ilha da Música, que atua com jovens da comunidade da África, na Redinha, em Natal.

De acordo com Suzy, todas as atrações tem alguma relação com Manoca. Por exemplo, no Mad Dogs o guitarrista é irmão dos músicos Carlinhos e Fernando Suassuna, e no Carontes, ele foi da primeira formação do grupo, que atualmente conta com o pianista Paulo Cesar. “Na Ilha da Música, Manoca foi um grande incentivador. O atual maestro, o Erivaldo, aluno do projeto que hoje está na EMUFRN, ganhou sua primeira guitarra de presente de Manoca”, detalha a produtora. O projeto Ilha da Música, por sinal, será beneficiado com o Festival. O ingresso social custa R$ 10, mais um quilo de alimento não perecível, que ajudará na manutenção do café da manhã dos jovens atendidos pelo projeto.

O Jazz de volta à Pipa
O Festival Bossa & Jazz retorna a praia da Pipa depois de passar em branco no ano passado por falta de patrocínio. O evento está marcado para o período de 13 a 16 de dezembro e terá um formato completamente novo, mas ainda com programação toda gratuita. Ao invés de um grande palco para as apresentações, o festival vai acontecer com estrutura descentralizada.

Bossa & Jazz Street Band volta a animar as ruas da Pipa
Bossa & Jazz Street Band volta a animar as ruas da Pipa

Por noite serão cinco pontos de show na rua principal, com as apresentações acontecendo simultaneamente. Todos os dias a Bossa & Jazz Street Band abre a programação às 19h30, circulando pela rua. Todo o percurso da avenida vai receber decoração personalizada com adereços e grandes flâmulas do Festival.

Segundo a idealizadora e produtora do evento, Juçara Figueiredo, o novo formato terá o estilo dos festivais de jazz de New Orleans, nos Estados Unidos, que acontecem na rua. “Pipa não tem mais um grande espaço que desse para unir toda a programação. Pensando nisso, modificamos a estrutura. Acredito que vai agradar, vai dar deixar o festival mais dinâmico. À noite Pipa é aquela avenida principal. Ela vai ficar bem bonita e musical”, comenta.

As apresentações serão no formato pocket show. Por dia, devem se apresentar 10 atrações diferentes. A produtora não quis adiantar nenhum nome já confirmado, mas garantiu a presença de artistas internacionais, nacionais e locais. As apresentações serão em galerias, shoppings e pequenas ruas, como a Rua do Céu. Durante o dia haverá programação também, em bares na praia, até o pôr do sol. As oficinas com a comunidade também serão de dia.

“A curadoria continuará na linha de antes, focada em jazz, blues e bossa nova. As jam sessions também continuam. E o público pode esperar algumas surpresas”, conta Juçara. Ela diz que o retorno do festival à Pipa se deve ao interesse conjunto dos empresários locais. “Estamos há dois anos sem patrocínio via lei de incentivo público. Me reuni com os empresários e eles reconheceram a importância do festival para movimentar a praia. Então resolveram apoiar”. A edição conta com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Tibau do Sul, da Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa (ASHTEP), Pipa Convention Bureau e apoio dos comerciantes locais.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários