Um passeio musical e poético pela cultura caipira

Publicação: 2019-04-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Yuno Silva
Repórter

O sertão mítico e lírico, que transborda Brasil adentro e está intimamente ligado às tradições e à identidade cultural do País, será revisitado este fim de semana pelo espetáculo “Bem Sertanejo – O Musical”. Em cartaz no Teatro Riachuelo de sexta (19) a domingo (21), a superprodução protagonizada pelo cantor e multi-instrumentista Michel Teló chega ao Nordeste depois de passar com grande sucesso por cidades como São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba, Goiânia e Porto Alegre. Teló, que vem se destacando em sua estreia como ator, conduz grande elenco de cantores-atores através de uma viagem na história por todas as fases da música sertaneja.

A relação do Sertão com o Modernismo, movimento artístico dos anos 1920, está presente em cenografia construída por Gringo Cardia, com obra de artistas como Tarsila do Amaral
A relação do Sertão com o Modernismo, movimento artístico dos anos 1920, está presente em cenografia construída por Gringo Cardia, com obra de artistas como Tarsila do Amaral

A montagem conta e canta a trajetória, a formação da música caipira e a cultura interiorana de forma poética e não cronológica. O repertório, todo executado ao vivo no palco, traz 56 sucessos de artistas consagrados como Tonico e Tinoco, Sérgio Reis, Almir Sater, Renato Teixeira, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Gustavo Lima, Henrique e Juliano, Jorge e Mateus, entre outros.

Para o diretor e autor Gustavo Gasparani, que também está no elenco, o musical “é uma verdadeira viagem por todas as fases da música sertaneja e pela história do Brasil, mostrando as mudanças que o gênero sofreu”. O musical também acompanha a saída do homem do campo para a cidade grande.

A montagem conta e canta a formação da música caipira e a cultura interiorana de forma cronológica
A montagem conta e canta a formação da música caipira e a cultura interiorana de forma cronológica

“Temos uma dramaturgia bem distinta entre o primeiro e o segundo ato. Primeiro contamos – através das músicas – a história do sertão brasileiro, de como e quando surge a cultura caipira; acompanhamos a viagem dos tropeiros rumo ao interior do Brasil no século 18. Também falamos sobre a origem da viola e a oralidade que tanto caracteriza nossa identidade cultural”, acrescentou Gasparani em entrevista ao caderno FIM DE SEMANA.

O diretor frisa que as músicas são executadas em função da dramaturgia: “No primeiro ato abordamos o sertão mítico. Além das canções, incluímos poesia e citações literárias de Guimarães Rosa, Cora Coralina. A relação do sertão com o Modernismo, movimento que na década de 1920 propõe um retorno às origens interioranas, também estão em cena com imagens de obra de Tarsila do Amaral. É um encontro, também, com o interior íntimo e pessoal de cada um na plateia”.

Já no segundo ato, “Bem Sertanejo – O Musical” destaca a história da música em si, dos artistas, e como se deu a evolução do gênero, que saiu dos coretos das praças de cidades do interior para ganhar o mundo. “Começamos no século 18, com os tropeiros, até os dias de hoje com o sucesso mundial do Teló”, destacou Gustavo Gasparani.

Espetáculo recria o universo da cultura central do Brasil
Espetáculo recria o universo da cultura central do Brasil

No elenco, Michel Teló e Gustavo estarão acompanhados de Lilian Menezes, Alan Rocha, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, José Mauro Brant, Pedro Lima, Rodrigo Lima e Sergio Dalcin. A cenografia é assinada por Gringo Cardia, e a direção musical de Marcelo Neves. Grande parte do elenco já havia trabalhado com Gasparani em outros dois musicais: “Samba Futebol Clube” e “Aquele Abraço”.

A montagem e circulação do musical foi viabilizada pela lei federal de incentivo à Cultura, e patrocínio da Bradesco Seguros e Pag Seguro. Após cada apresentação, o elenco conversa com a plateia sobre o processo criativo e a concepção do espetáculo.

‘Contar a vida no campo através da música’
O ponto de partida para “Bem Sertanejo – O Musical” foi o quadro de mesmo nome apresentado por Michel Teló e exibido pelo programa “Fantástico” (TV Globo). O projeto ainda gerou um livro com histórias de bastidores e um DVD com cenas que acabaram não indo ao ar, e circulou em turnê pelo Brasil com show de mesma temática. Teló concedeu a seguinte entrevista à TRIBUNA DO NORTE:

Espetáculo retrata a música que saiu dos coretos e praças para ganhar o mundo na voz de artistas como o próprio Teló
Espetáculo retrata a música que saiu dos coretos e praças para ganhar o mundo na voz de artistas como o próprio Teló

O musical é um desdobramento do quadro que começou na televisão, virou show e agora ganha os palcos com dramaturgia. Foi uma transição planejada?
O projeto de montar um musical era um sonho antigo que eu tinha. Queria contar a história da música sertaneja através de entrevistas, bate papo com artistas e, claro, muita música. Sentíamos que faltava algo, tinha essa ideia de um musical, até que apareceu o Gustavo com experiência grande em musicais.

O musical tem uma base principal, ou a proposta é circular?
A intenção é circular com estrutura completa e chegar a qualquer lugar do Brasil. Essa é nossa quarta temporada, e já fizemos mais de 100 apresentações.

O repertório enfatiza alguma fase da música sertaneja?
Não, o musical conta a história de maneira geral, desde a história do homem no campo e como a música fazia parte do seu dia a dia, passando pela história da viola, do movimento dos tropeiros pelo País. Mostra a maneira como a música sertaneja chegou às rádios, e como se modernizou até chegar nos dias de hoje.

Como foi a seleção do repertório?
A seleção das músicas foi coletiva, fiz de contemplar a história desde lá atrás, com Cabocla Tereza e Chico Mineiro. Veio a entrada da guitarra e do contrabaixo, passamos por Chitãozinho e Xororó e chegamos até as grandes produções de hoje.

O espetáculo está chegando ao Nordeste. A música sertaneja é recebido de maneira diferente dependendo da região? As pessoas se envolvem de maneira diferente?
Não importa a região, todo mundo tem uma história para contar de um parente que veio do campo para formar sua família na cidade grande. O sertanejo é a música mais ouvida no Brasil porque soube seguir o mercado, se modernizar, falar sobre coisas que cada região do país vive, sem perder a raiz.


Serviço:
“Bem Sertanejo – O Musical”, de 19 a 21 de abril no Teatro Riachuelo com sessões duplas (sexta e sábado às 17h e 20h30) e domingo (16h e 19h30).

Ingressos: de R$ 60 a R$ 200 – valores inteiros.













continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários