'Uma Boa Corrida' revive a escrita despudorada de Irvine Welsh

Publicação: 2018-03-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ubiratan Brasil

Escreveu o crítico da Booklist, publicação da American Library Association: "Este escocês é desprezível, profano, trágico, absurdo, gentil, exuberante e nojento em quase igual medida. E também um ótimo entretenimento". O alvo dessa manifestação de amor e fúria é o escritor Irvine Welsh, criador da célebre galeria de desajustados formada por Spud, Sick Boy, Renton e Begbie, eternizada no romance Trainspotting (1993), que lhe rendeu o status de grande nome da literatura britânica moderna desde então.

A escrita despudorada, no entanto, vista por alguns como exemplo de realismo, é esnobada por outros, crentes de que Welsh, com seus romances, vem criando uma nova categoria para "ruindade". O que não se pode é ignorá-lo.

A Rocco, que edita seus livros no Brasil, acaba de lançar Uma Boa Corrida, no qual retorna o personagem Terry Lawson, agora um homem de meia-idade que, quando não está dirigindo seu táxi pelas ruas de Edimburgo, faz bicos como supervisor de uma sauna ou figurante de filmes pornôs de quinta categoria. E, em todos momentos, Lawson alimenta seus vícios em sexo e cocaína. Aí está a chave do romance: Welsh não poupa constrangimento e muito bom humor para mostrar todas as atitudes tomadas por seu personagem para manter o priapismo e a euforia possibilitada pela droga.

Na vida, Welsh consertou aparelhos de televisão, lutou boxe, trabalhou como auxiliar de cozinha. Experiências úteis na criação de sua obra literária e que lhe conferiram uma liberdade por vezes ultrajante em sua escrita. Lawson, por exemplo, está convicto de que as mulheres não foram colocadas neste planeta para agradá-lo, mas sim que ele nasceu para satisfazer as mulheres. E, quando a saúde do taxista o impede de manter relações sexuais, Welsh não pensa duas vezes e oferece capítulos com depoimentos do pênis do personagem, afoito para garantir que ainda está ativo. Além da irreverência, Uma Boa Corrida reflete sobre a falta de perspectiva de uma geração. Sobre sua literatura, o escocês respondeu, por e-mail e em 20 minutos depois de enviadas, as seguinte perguntas:

Você disse acreditar que Terry Lawson seja feminista. Então, eu pergunto o que você pensa sobre a masculinidade nos dias atuais.
Não acredito na linha simplista de que a masculinidade está em crise. Acontece apenas que a humanidade está simplesmente evoluindo. Sob o feudalismo e o capitalismo, as estruturas econômicas defenderam uma divisão do trabalho, que favoreceu o predomínio dos homens. Agora, não estamos mais presos ao campo e às fábricas. A sociedade conceitualista é mais abstrata e a sua economia, mais difusa, vem do trabalho intelectual, então os antigos papéis de gênero não são mais compatíveis. Essas mudanças exigem tanto das mulheres quanto elas dos homens.

Foi mais difícil escrever uma versão mais madura de Lawson que foi no livro 'Glue'?
Sim. Eu vejo Terry Lawson como um cara bem-intencionado e que está se ajustando a esse declínio da masculinidade tradicional, mas ele enxerga isso em termos de oportunidade em vez de ameaça. Ele sabe que hoje é mais fácil para os homens ter sexo com as mulheres, mas menos fácil de controlar as mulheres, o que é uma bela coisa para ambos os sexos, certamente.

Em um ponto do livro, Lawson vai a uma reunião para viciados em sexo. Você acha que o vício em sexo é uma coisa real?
Eu prefiro pensar nisso como um comportamento compulsivo-obsessivo, mas sim, você pode tornar-se dependente de qualquer coisa. Nossa sociedade de consumo do capitalismo atual é sustentada com o estímulo e a alimentação do comportamento compulsivo.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários