Cookie Consent
Alex Medeiros
Uma paixão desafiadora
Publicado: 00:00:00 - 01/05/2022 Atualizado: 11:48:12 - 30/04/2022
Alex Medeiros
[ alexmedeiros1959@gmail.com ]

As mulheres do Irã estão cansadas de esperar que o regime religioso dos aiatolás dê tratamento igualitário em relação aos homens. Cansadas, entretanto, dispostas a continuar lutando. Na atrasada república islâmica, há alguns anos elas estão obrigadas, entre outras coisas, a usar véu em público sob pena de multa ou prisão.

Também nas atividades sociais e culturais, o preconceito contra as mulheres é uma realidade que contrasta com os avanços do mundo ocidental. Um dos eventos mais populares do país, o futebol (a seleção do Irã vai à Copa do Mundo de novo) tem sido um motivo de rebeldia e enfrentamento das garotas que gostam da bola.
É preciso historiar que a vida no Irã entre os anos de 1950 e 1970 era muito semelhante aos países da Europa e das américas, com as mulheres exibindo a moda que marcou aquelas décadas. Até a minissaia fez sucesso nas ruas do país. Mulheres produzindo literatura e música também foi uma realidade.

A partir de 2017, veículos de imprensa do Ocidente começaram a publicar imagens de garotas iranianas tremulando ao vento seus véus, num ousado ato de protesto contra o preconceito. Algumas foram mais longe, e se disfarçaram de homens para ir aos estádios e poder torcer por seus times do coração.

Um caso foi ilustrado na mídia mundial e ocorreu no Estádio Azadi de Teerã, onde a equipe do Persépolis foi campeã da liga local ao vencer a rival Sepidrood. As meninas não estavam dispostas a perder a decisão e centenas delas usaram grandes camisetas, bonés, barbas postiças e perucas. E deram um show.

As fotos e vídeos feitos no estádio se espalharam pelo país e chegaram à imprensa internacional. Elas cantavam os hinos dos clubes, gritavam palavras de ordem típicas de torcedor fanático, fazendo gestos, tudo sem demonstrar medo do real perigo que significa tamanha subversão dos valores impostos pelos aiatolás.

A lei que proíbe as mulheres iranianas de assistir partidas de futebol foi instaurada após o triunfo da Revolução Islâmica de 1979, quando os líderes religiosos derrubaram o governo do xá Reza Pahlevi. Foi um golpe duro nas conquistas já estabelecidas nos anos de costumes ocidentais.

Tal lei se baseia numa falsa verdade que considera um risco a exposição das mulheres em eventos de natureza hostil e vulgar.  Desde 2018, elas já podem assistir competições de atletismo, mas nem mesmo a presença da seleção do Irã na Copa da Rússia sensibilizou o regime do presidente Hasan Rohaní.

Com a nova classificação do Irã para ir ao torneio do Qatar, as garotas começam outra vez a buscar seus direitos de torcer pela seleção nacional, agora num país cujo regime tem praticamente os mesmos preconceitos com as mulheres. Em novembro, vamos torcer pelas meninas de Teerã. É o mínimo de quem nada pode fazer por elas.
Reprodução


Neal Adams
Ele se foi dia 28, quando eu festejava o aniversário do meu caçula. O luto se abate sobre o mundo dos quadrinhos, principalmente nos fãs do Batman, Arqueiro Verde e X-Men, que ele revolucionou com o seu toque de genialidade.

Neal Adams II

Para mim, um longevo fã do Superman, ele fez muito mais ao abraçar a defesa vigorosa dos direitos autorais da dupla Jerry Siegel e Joe Shuster, que quando meninos criaram o herói e na velhice sofriam carências sem usufruir da obra.

Elimina já
Não dá para aceitar que ainda exista gente que mesmo vendo a repetição dos crimes covardes como o do rapaz executado na rua, tenha a cara de pau de fazer discursinho político condenando a Polícia quando elimina um bandido.

Confronto
Quando mais o caso Daniel Silveira fica na vitrine da imprensa e das redes, mas o deputado se dá bem. E quanto mais Alexandre de Moraes tece comentário, mais asfalta a estrada que poderá levar o desafeto ao Senado.

Dialética
Enquanto diverge com os companheiros petistas na aliança com o MDB de Garibaldi e Walter Alves, a deputada federal Natália Bonavides faz pose no Oeste no palanque de prefeita do DEM, onde subiu também Rogério Marinho.

Estratégia
Seguidores de Fernando Mineiro acusam a insatisfação com o que chamam de tática de Fátima Bezerra. Ao estimular Janeayre Souto como federal no PSB, tira votos de Mineiro e abre espaço no PT para a caminhada de Samanda.

Vagas
Com Janeayre no PSB, a governadora também imagina que a sindicalista pode conseguir superar Henrique Alves e ser a segunda da legenda, atrás de Rafael Motta. E se o PT fizer dois federais, então ela, Fátima, ganha três cadeiras.

Bienal
Definida para ocorrer entre 2 e 10 de julho, a Bienal do Livro de São Paulo já anunciou os autores portugueses com participarão confirmada no evento. E também anunciou a campanha publicitária que vai divulgar a sua 26ª edição.

Igapó
Saindo do prelo em editora de Curitiba, o livro “A História da Ponte de Igapó”, de Manoel Negreiros, é uma obra de fôlego (500 páginas) e mergulho histórico no projeto e construção da obra iniciada em 1912 e inaugurada em 1916.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte