Uma reflexão sobre a vida e os sonhos não realizados inspira romance de Clotilde Tavares

Publicação: 2019-11-01 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Não tem jeito, em alguma momento vamos colocar em xeque o que estamos fazendo da vida. E nessas horas provavelmente virá a reflexão: “o que estou disposto a fazer para conseguir o que quero?". Partindo dessa ideia, a escritora Clotilde Tavares escreveu “De repente a vida acaba", seu mais novo livro, sendo que o primeiro romance. Trata-se de uma história de desacerto e solidão, com paixões, dilemas éticos e algumas tragédias, tudo com pitadas de humor e ironia.  De pano de fundo, o verão de 1985 – segundo Clotilde, o último em que fomos todos felizes, mas o motivo você só saberá se ler o livro.

Clotilde define enredo como “uma história de desacerto e solidão, com paixões, dilemas éticos e algumas tragédias”
Clotilde define enredo como “uma história de desacerto e solidão, com paixões, dilemas éticos e algumas tragédias”

A obra está praticamente pronta, mas para viabilizar a publicação a autora iniciou uma campanha de financiamento coletivo no site Catarse. A meta é conseguir aproximadamente R$ 14 mil – valor para pagar a impressão de 500 exemplares, projeto gráfico e outros custos. Quem quiser colaborar pode apoiar com valores entre R$ 40 e R$ 1200. As recompensas vão do próprio livro inédito, até um pacote que reúne livros anteriores, postais e evento com bate-papo exclusivo. O lançamento oficial está previsto para o mês de dezembro.

Autora de mais de dez livros, entre os quais “Natal a Noiva do Sol” e “A Botija”, populares entre o público infanto-juvenil, Clotilde estreia no romance com “De Repente A Vida Acaba”. No centro da história está Maria Eulina, que durante toda a vida quis ser escritora, sem nunca ter conseguido realizar seu sonho. Entre desacertos, dilemas e insatisfações, ela leva sua vida refém de um passado que não consegue superar. Outros personagens estão em cena, como Aline, que é livre, independente e deseja apenas curtir a vida; a afilhada de Maria Eulina, carinhosa e alegre; e um advogado bonitão e necessário. O livro tem 256 páginas, conta programação visual de Danilo Medeiros sob ilustração da capa da artista Angela Almeida. A publicação sai pela M3 Editora. Para apoiar a impressão basta acessar: www.catarse.me/DeRepenteAVidaAcaba

Trecho:
“Posso mandar o doutor subir? É a voz do porteiro pelo interfone. Pode, seu Antônio. Confiro a minha imagem no espelho e abro a porta do apartamento para esperá-lo. Enquanto o elevador sobe, parece que estou escutando os cubos de gelo se chocando no copo, o perfume do uísque doze anos, e a alegria daquele olhar irresistível, sempre disposto a uma farra, a uma diversão. Vamos brincar de ricos, Maria Eulina? Era o que ele gostava de me dizer quando entrávamos numa loja ou num restaurante, sempre em busca do mais caro, do mais especial, do esbanjamento puro e simples. Gostava de dinheiro, gostava de gastar e com ele aprendi a gostar das coisas boas da vida. Ele era o advogado bonitão que conheci numa das festas do secretário, divertido, falando alto, alinhado, cheiroso, ternos impecáveis, sapatos italianos. Eu num canto da sala, copo de uísque na mão, quase vazio, conjeturando se teria pique para me levantar e reabastecer quando chega aquela criatura com duas doses, vi que a sua já acabou, vamos substituir? Me acompanha nessa dose? E foi assim que tudo começou, e fomos ficando amigos, saindo juntos, um cinema, um jantar, namorando.”






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários