Unidades de Pronto Atendimento operam acima da capacidade em Natal

Publicação: 2021-03-04 00:00:00
As principais portas de entrada para os pacientes acometidos pela covid-19, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em Natal, estão operando acima da capacidade nominal no atendimento aos diagnosticados e aos que aguardam confirmação pela infecção do novo coronavírus. Conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS Natal) dessa quarta-feira (3), pelo menos 16 pacientes com a doença aguardavam transferência para um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 14 pacientes suspeitos esperavam pelo resultado do exame.

Créditos: Alex RégisMovimentação de pacientes chegando e saindo das Unidades de Pronto Atendimento em Natal é intensa. Na foto, ambulância transfere paciente da UPA PajuçaraMovimentação de pacientes chegando e saindo das Unidades de Pronto Atendimento em Natal é intensa. Na foto, ambulância transfere paciente da UPA Pajuçara

Conforme dados do Boletim Epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN) divulgado na noite dessa quarta-feira, Natal contabiliza 47.711 casos confirmados de covid-19. O número de óbitos pela doença chegou a 1.416 – o maior do Estado. 

A TRIBUNA DO NORTE percorreu duas UPAs de Natal nessa quarta-feira, em Cidade Satélite, na zona Sul, e no Pajuçara, na zona Norte, e entrevistou familiares de pacientes que estão internados nessas unidades. Alguns deles já precisando de leitos clínicos ou críticos em hospitais.

Quem está nesta situação são os irmãos João Eudes e Maíra Soares, com a mãe, de 58 anos, internada na UPA Cidade Satélite, zona Sul de Natal. A mãe foi diagnosticada com covid-19 e aguarda, internada na Unidade, transferência para um hospital. “Não é algo bom de lidar, mas temos de ter tranquilidade nesse momento e passar essa tranquilidade para ela. Estamos buscando isso. Conseguimos falar com ela pela assistente social”, disse o filho João Eudes.
 
A busca por um leito de UTI é pela questão da oscilação da oxigenação da idosa, que já estava utilizando máscara de respiração não-invasiva, etapa que não precisa de intubação. “Com a máscara normal, com a bombinha, com nebulizador, a saturação caía para 78%. Mas com a máscara não invasiva ela sustentou 95%. Estamos esperançosos que ela não precise de uma UTI”, acrescentou Maíra Soares.

Do lado de fora, o movimento nas UPAs parecia tranquilo e sem  filas. Entretanto, os parentes de pacientes diagnosticados ou com suspeita de infecção pelo coronavírus são orientados a não permanecerem no local. Eles recebem informações através do serviço de Assistência Social, por telefone ou contato com representantes do setor na própria UPA.

Enquanto aguardavam atendimento, alguns dos pacientes relataram à TRIBUNA DO NORTE que procuravam as unidades em virtude de sintomas relacionados à Covid-19. Uma família que não quis se identificar estava com uma paciente idosa, de 70 anos, com  tontura, tosse, cansaço e baixa saturação. A filha dela disse que estava aguardando um retorno dos médicos para saber se a mãe seria transferida para o Hospital dos Pescadores, nas Rocas, zona Leste de Natal. A unidade, inclusive, virou exclusiva para tratamento da covid-19 desde a semana passada.

“A gente tinha vindo aqui na sexta já, segunda de madrugada e mandou ela pra casa. Precisou ficar ruim para se internar. Estava quase desmaiando, pressão baixa”, disse uma dos parentes que não quis se identificar.  

Ocupação
Conforme dados da Plataforma Regula RN acessados às 20h25 dessa quarta-feira, mostravam que 57 pacientes aguardavam transferência para leito crítico na Região Metropolitana de Natal, mas a oferta de leitos em todo o Estado não passava de 16. No geral, a ocupação da Região Metropolitana estava em 91,8%.