Universidades federais têm orçamentos descontingenciados

Publicação: 2019-10-18 10:28:00
A+ A-
O Ministério da Educação anunciou hoje (18) o descontingenciamento total do orçamento das universidades federais. "Cem por cento de todo o orçamento para o custeio das universidades federais e institutos está sendo descontingenciado neste momento", disse o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista à imprensa.
Créditos: Marcelo Camargo/Agência BrasilWeintraub defende punição para alunos com notas baixa no Enade, mas não detalha como punirWeintraub defende punição para alunos com notas baixa no Enade, mas não detalha como punir
Weintraub disse que não houve danos com contingenciamento, que ocorreu em março

Segundo ele, o contingenciamento não chegou a prejudicar nenhuma das ações da pasta. "Foi feita uma boa gestão. Administramos a crise na boca do caixa. Vamos terminar o ano com tudo rodando bem", acrescentou.

Em março, o governo havia anunciado contingenciamento no orçamento das universidades e institutos federais de educação no montante de R$ 2 bilhões da verba prevista, o equivalente a 29,74% do total do orçamento anual. Segundo o ministro, o bloqueio da verba foi necessário devido à redução na previsão de crescimento do país este ano. O Orçamento elaborado no ano passado previa um crescimento de 2,5% no ano, o que já foi descartado pelo governo. Além disso, com o recuo da atividade econômica no primeiro semestre, houve uma redução na arrecadação.

Com o anúncio, diversos protestos ocorreram pelo país, inclusive no Rio Grande do Norte. A população criticava a medida e as universidades temiam que projetos e até o funcionamento das instituições fossem prejudicados com o contingenciamento.

Contudo, em agosto, Abraham Weintraub disse que o cenário indicava a possibilidade de que os recursos contingenciados das universidades fossem desbloqueados. De acordo com o ministro, a aprovação da reforma da Previdência criou um ambiente favorável para a retomada da atividade econômica e, como consequência, o aumento na arrecadação de impostos, o que aliviaria o caixa do governo, permitindo descontingenciar os recursos.

“Desde o primeiro momento a gente falou que contingenciamento não era corte, que a gente ia administrar uma crise herdada por governos passados na boca do caixa e que a previsão era que, caso passasse a reforma da Previdência, provavelmente já em setembro a gente teria um descontingenciamento. Simplesmente eu tô mantendo tudo o que eu estou falando há 120 dias”, disse Weintraub, em agosto.



Agência Brasil



Deixe seu comentário!

Comentários