UnP investe R$ 15 milhões em um hospital simulado

Publicação: 2011-02-22 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
O ambiente é de um hospital com consultórios e enfermarias. No lugar dos pacientes, robôs de aparência humana exibem sinais físicos idênticos a de qualquer pessoa – transpiram, emitem sons de dor, manifestam sintomas.

É nesse ambiente cercado de câmeras que transmitem imagens para a sala de aula, que os alunos dos cursos da área de saúde da Universidade Potiguar (UnP) vivenciam um novo  modelo de ensino desde o último dia sete, quando retornaram das férias.

Dimas Ferreira fala sobre os benefícios do novo projetoRecriado a partir de um novo layout, o projeto “Catussaba”, que significa “Saúde” em tupi guarani, foi resultado de uma grande reforma nos oito mil metros quadrados de instalações da UnP da Salgado Filho  ao custo de R$ 15 milhões. Nele, há 22 consultórios e uma clínica integrada para a realização de atendimentos à comunidade.

A tecnologia de robôs e softwares que os comandam é alemã e  americana, semelhante à existente em importantes centros universitários como o de Stanford ou John Hopikins, nos EUA.  Entre uma aula e outra, atores são recrutados e maquiados para simular situações de estresse para os alunos.

O resultado será apresentado hoje à imprensa, quando será detalhada ao público as três etapas do ensino integrado das ciências médicas com o uso de robôs recriando o corpo humano inteiro ou partes dele.

Nos laboratórios, os alunos de todos os cursos da área podem simular problemas de diferentes naturezas, aprendendo a lidar desde cedo com urgências e emergências como se estivessem num hospital de verdade.

Segundo Dimas Ferreira, presidente da Sociedade Potiguar de Educação e Cultura (Apec), mantenedora da UnP, os robôs recriam à perfeição a anatomia de um ser humano em todos os detalhes fisiológicos – a textura da pele, a temperatura e a capacidade de reações como taquicardia e transpiração, por exemplo. Neles, o aluno pode realizar dissecações repetidas vezes, ao contrário dos cadáveres humanos, cada dia mais escassos e sobre os quais repousam questões éticas.

Os softwares que consumiram boa parte do investimento são tão avançados, diz Dimas, que é possível ao aluno realizar uma ausculta de coração programado para manifestar variadas doenças que ele terá que descobrir.

Todas essas novas possibilidades no ensino deve garantir à UnP um lugar de destaque na região quando o assunto é formação de profissionais – especialmente médicos. “Já somos um centro de referência no Nordeste”, disse Dimas Ferreira. Em todo o país, apenas a UnP e uma universidade de São Paulo utilizam o equipamento de ponta.

A nova tecnologia possibilitará aos futuros profissionais aperfeiçoar suas habilidades e, no final do curso, aplicar o conhecimento no atendimento à população da clínica escola da instituição, que atende por ano cerca de 100 mil pessoas.

“A pretensão desse investimento, que torna a UnP em referência não só para o Nordeste como para o país, é produzir profissionais melhor preparados e que cometam menos erros médicos”, diz  Dimas Ferreira.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • zanneraissa

    thiagodeclaudiceia quanto ao que vc falou sobre ser \\\"por essas e outras que vemos a qualidade dos profissionais que estão no mercado\\\", sinto dizer-lhe que a unp ainda não formou nehuma turma de medicina ou seja os profissionais que stão no mercado vem da UFRN ou de fora. e quanto ao daniel-lins será que devo lembrar-lhe que o ex-presidente era semianalfabeto?

  • natalfamainternacional

    isso é Natal...............isso que os americanos deixaram em Natal ate hoje, não só a segunda guerra mundial.......................tecnologia

  • laissa_23

    A UNP tem caído de qualidade a cada dia. Os bons professores vão todos embora, porque a \"universidade\" não investe em pesquisa, extensão, não permite que sejam professores de fato. Atolam os profissionais de carga-horária sem que reste tempo algum sequer para que eles se qualifiquem. Ainda por cima paga a pior hora/aula do mercado. Faculdades bem menores investem mto mais em seus professores. No ENADE então, uma vergonha...as piores notas do Estado. Em breve aquilo vai afundar e veremos a cidade limpa de tantos outdoors, porq é só nisso q investem, em propaganda!!!

  • daniel-lins

    Independente de qualquer investimento, com o grau de seleção que é feito no ingresso do inscrito na faculdade, teremos um grande percentual de péssimos profissionais. Qualquer semianalfabeto é capaz de ingressar na universidade e, salvo raras as exceções, obter o seu diploma. Ao final, teremos aquele suposto médico que conhece muito bem a patologia: \"... é uma virose\".

  • elha_cef

    Querida, mariadasns@ Treina-se primeiro com robos para não usar pessoas carentes como cobaias. O aluno após vivenciar a rotina de um hospital com bonecos vai estar melhor preparado para atuar em um hospital real com problemas reais.

  • mariadasns

    Por que não investir estes 15 milhoes no Hospital Varela Santiago? que é uma instituição merecedora, e lá os alunos iriam aprender de verdade e não virtual. Não consigo acreditar em im profissional da saúde formado em um hospital virtual.