Cookie Consent
Política
Vacina pode estar disponível em janeiro
Publicado: 00:00:00 - 28/07/2020 Atualizado: 22:35:43 - 27/07/2020
O governador de São Paulo, João Doria, disse ontem que a vacina contra o novo coronavírus produzida por um laboratório chinês, em parceria com o Instituto Butantan, poderá estar disponível para a população brasileira a partir de janeiro de 2021. Isso, segundo o governador, vai depender se os testes da vacina forem bem-sucedidos.

Divulgação / Governo de São Paulo
Vacina CoronaVac está na Fase 3 de testes e Instituto Butantan participa das pesquisas

Vacina CoronaVac está na Fase 3 de testes e Instituto Butantan participa das pesquisas



Leia Mais

“Já no final do ano, não havendo intercorrências na terceira fase de testes, poderemos iniciar a produção da vacina em dezembro e imediatamente iniciar a vacinação de milhões de brasileiros”, disse Doria. No entanto, nem toda a população brasileira poderia ser vacinada em janeiro já que a produção ainda seria insuficiente para vacinar todo mundo. A expectativa é que inicialmente 60 milhões de pessoas no país sejam vacinadas.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, a Fase 3 vai demonstrar se a vacina produz anticorpos contra a covid-19 e se essa produção de anticorpos é sustentada, ou seja, se isso é mantido por um tempo prolongado. 

“Como estamos no meio de uma pandemia, nada mais justo que as autoridades sanitárias promovessem emergencialmente a liberação. Se tenho segurança e estou produzindo anticorpos nesses três meses, vamos utilizar [a vacina para a população]. Claro que todo o estudo deve continuar até para saber se vai precisar dar doses de reforço com o decorrer dos anos”, justificou Gorinchteyn.

A CoronaVac, como foi batizada essa vacina, está na Fase 3 de testes em humanos, que vem sendo realizada também no Brasil. Ao todo, os testes com a CoronaVac serão realizados em 9 mil voluntários em centros de pesquisas de seis estados brasileiros: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. A pesquisa clínica será coordenada pelo Instituto Butantan, e o custo da testagem é de R$ 85 milhões, pagos pelo governo. Caso seja comprovado o sucesso da vacina, ela começará a ser produzida pelo Instituto Butantan.

Outras vacinas também chegaram a estágios avançados na última semana e provocaram uma forte reação de anticorpos na maioria dos voluntários testados, como a desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca, que se mostrou segura e produziu resposta imune em ensaios clínicos iniciais em mais de mil voluntários saudáveis.

Laboratório destaca que há estágio avançado de testes
São Paulo (AE) - O laboratório Moderna Inc. afirmou que iniciou o estágio final de testes em uma candidata a vacina para a covid-19, com apoio do governo dos Estados Unidos. Este é a primeira pesquisa a ser implementada no programa anticoronavírus "Operation Warp Speed", do governo de Donald Trump.

As notícias do estudo, que testará a resposta à vacina em 30 mil adultos sem registro da doença respiratória, aumentaram as ações da Moderna em 11%. O governo federal dos EUA está apoiando o projeto com quase U$ 1 bilhão (aproximadamente R$ 5,21 bilhões) e o escolheu como um dos primeiros a entrar na fase de ensaios em larga escala em humanos.

Mais de 150 candidatos a vacina estão em vários estágios de desenvolvimento pelo mundo, com 23 perspectivas em testes em humanos. A Moderna e a empresa britânica AstraZeneca Plc estão liderando a corrida com seus candidatos já em estágio avançado.

Enquanto a rival AstraZeneca disse na semana passada que ainda estava em vias de produzir suas doses até setembro, o laboratório e outras empresas farmacêuticas estão agora visando a entrega de vacinas totalmente testadas até o final deste ano. "Ter uma vacina segura e eficaz distribuída até o final de 2020 é uma meta extensa, mas é a meta certa para o povo americano", disse Francis Collins, diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA.

Abaixo, entenda as fases de desenvolvimento de uma vacina:
Fase exploratória ou laboratorial: Fase inicial ainda restrita aos laboratórios. Momento em que são avaliadas dezenas e até centenas de moléculas para se definir a melhor composição da vacina.

Fase pré-clínica ou não clínica: Após a definição dos melhores componentes para a vacina, são realizados testes em animais para comprovação dos dados obtidos em experimentações in vitro.

Fase clínica: É a testagem do produto em seres humanos. Esta fase do processo se divide em três:

Fase 1 – a primeira etapa tem por objetivo principal testar a segurança do produto. São testados poucos voluntários, de 20 a 80, geralmente adultos saudáveis.

Fase 2 – a segunda etapa da testagem em seres humanos analisa mais detalhadamente a segurança do novo produto e também sua eficácia. Em geral, é usado um grupo um pouco maior, que pode chegar a centenas de pessoas.

Fase 3 – na última etapa o objetivo é testar a segurança e eficácia do produto especificamente no público-alvo a que se destina. Nesta etapa, o número de participantes pode chegar a milhares. Mesmo depois da aprovação, nova vacina continua sendo monitorada, em busca de eventuais reações adversas.





Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte