Vacina renova a esperança de profissionais da saúde; veja relatos

Publicação: 2021-01-20 00:00:00
O momento mais esperado em todo o mundo desde o início da pandemia do novo coronavírus começou no Brasil e no Rio Grande do Norte. A Covid-19 já matou mais de 3 mil pessoas no Estado e 210 mil no país. A vacina é a grande esperança para o fim deste período tenebroso da nossa história, este período de exceção – tantas vezes comparado a uma guerra. A vacina é a realização de um sonho, a vitória, o alívio, o futuro – todas as palavras retiradas dos primeiros vacinados contra a covid-19 no Rio Grande do Norte.

Oito potiguares iniciaram esse novo período nesta terça-feira (19), por volta das 11h. Todos receberam a primeira dose da vacina Coronavac durante o ato simbólico do Poder Executivo estadual, realizado no Centro Administrativo, em Natal, para marcar o início da campanha de vacinação. Os oito potiguares vacinados atuam no Sistema Único de Saúde (SUS).

Maria das Graças Pereira,  negra, técnica de enfermagem do Hospital Giselda Trigueiro há 35 anos, foi a primeira a receber o imunizante. “É um sonho. Eu estou vivendo um sonho que parecia distante, depois de perder tantos amigos”, declarou após receber a imunização. Ela tem 57 anos e sofre de comorbidades que a incluem no grupo de risco para a Covid-19, mas permaneceu na linha de frente no Hospital Giselda Trigueiro desde o início da pandemia.

“Os que estão na linha de frente merecem todo nosso aplauso, pela defesa da vida e da ciência. Vamos trabalhar com toda a força para imunizar os profissionais da saúde e toda a população, para enfim superar essa pandemia”, declarou a governadora Fátima Bezerra durante o evento. A vacina está nas ruas, ainda timidamente, mas oito potiguares já entraram para a história. Esperamos que eles tenham iniciado o capítulo final da história da maior pandemia dos últimos 100 anos. Abaixo, saiba quem é cada um deles:


Créditos: Magnus NascimentoRenato Oliveira37 anosTécnico de Enfermagem do Samu“Eu não tive Covid-19, mas amigos e colegas já se contaminaram. Tenho filho e isso me preocupa bastante”Renato Oliveira37 anosTécnico de Enfermagem do Samu“Eu não tive Covid-19, mas amigos e colegas já se contaminaram. Tenho filho e isso me preocupa bastante”


Créditos: Magnus NascimentoMaria das Graças Pereira de Oliveira57 anosTécnica de EnfermagemFuncionária do Hospital Giselda Trigueiro há 30 anos“Estou muito feliz, depois de ver tanto sofrimento. A vacina era um sonho e agora há a esperança de que tudo vai dar certo”Maria das Graças Pereira de Oliveira57 anosTécnica de EnfermagemFuncionária do Hospital Giselda Trigueiro há 30 anos“Estou muito feliz, depois de ver tanto sofrimento. A vacina era um sonho e agora há a esperança de que tudo vai dar certo”


Créditos: Magnus NascimentoEdilma Pereira da Silva49 anosTécnica de EnfermagemFuncionária do Hospital de Campanha de São Gonçalo do Amarante“Estou me sentindo privilegiada”Edilma Pereira da Silva49 anosTécnica de EnfermagemFuncionária do Hospital de Campanha de São Gonçalo do Amarante“Estou me sentindo privilegiada”

Créditos: Elisa ElsieGeny Souza de Santana67 anosMédica obstetraHospital Maternidade Divino Amor“É uma sensação de alívio e de alegria. Estou muito emocionada”Geny Souza de Santana67 anosMédica obstetraHospital Maternidade Divino Amor“É uma sensação de alívio e de alegria. Estou muito emocionada”

Créditos: Magnus NascimentoAntônia Pinheiro da Silva Araújo54 anosEnfermeiraEstratégia Saúde da Família da Comunidade Indígena de Lagoa do Tapará“Esperançosa, alegre e lisonjeada, pois, sei que muita gente gostaria de estar no meu lugar”Antônia Pinheiro da Silva Araújo54 anosEnfermeiraEstratégia Saúde da Família da Comunidade Indígena de Lagoa do Tapará“Esperançosa, alegre e lisonjeada, pois, sei que muita gente gostaria de estar no meu lugar”

Créditos: Magnus NascimentoGiorgione Guerra Cabral31 anosMédicoHospital de Campanha de Natal“Agora me sinto ainda mais preparado para enfrentar essa doença”Giorgione Guerra Cabral31 anosMédicoHospital de Campanha de Natal“Agora me sinto ainda mais preparado para enfrentar essa doença”

Créditos: Magnus NascimentoRenata de Souza Carneiro Martins29 anosTécnica de EnfermagemCentro Covid-19 de Extremoz“O pior é a doença. Tem de se vacinar. O primeiro passo é essa vacina que trará a cura. Estou muito feliz”Renata de Souza Carneiro Martins29 anosTécnica de EnfermagemCentro Covid-19 de Extremoz“O pior é a doença. Tem de se vacinar. O primeiro passo é essa vacina que trará a cura. Estou muito feliz”

Créditos: Magnus NascimentoMaria de Lourdes do Nascimento54 anosEnfermeiraHospital de Campanha de Ceará-Mirim“Isso é só o início. Precisamos continuar cumprindo todos os protocolos para vencer de vez o coronavírus”Maria de Lourdes do Nascimento54 anosEnfermeiraHospital de Campanha de Ceará-Mirim“Isso é só o início. Precisamos continuar cumprindo todos os protocolos para vencer de vez o coronavírus”