Vacinação contra a Covid-19 deve começar em março

Publicação: 2020-12-02 00:00:00
Idosos com 75 anos ou mais, profissionais de saúde e indígenas serão os primeiros a ser vacinados contra a covid-19 no País, segundo cronograma apresentado ontem, 1º, pelo Ministério da Saúde em reunião com um comitê de especialistas e obtido pelo Estadão.

Créditos: ARQUIVO/TNMinistério da Saúde planeja quatro principais fases para a imunização da população brasileiraMinistério da Saúde planeja quatro principais fases para a imunização da população brasileira

No encontro, a pasta informou ainda que a perspectiva é começar a vacinação contra a doença em março de 2021 e finalizar a campanha somente em dezembro, quando há previsão de oferta de doses suficientes para imunizar a população-alvo. Não há previsão de vacinar toda a população no ano que vem, de acordo com a apresentação feita pelo ministério.

De acordo com a pasta, a campanha seria realizada em quatro fases principais. Na primeira, com previsão de início para março de 2021, seriam vacinados cerca de 14 milhões de pessoas. Além dos idosos com 75 anos ou mais, indígenas e profissionais de saúde, serão imunizados nessa primeira fase também idosos acima de 60 anos que estejam em instituições de longa permanência. Para essa fase, a pasta estima a necessidade de 29,4 milhões de doses, considerando duas para cada pessoa e mais 5% de perda estimada.

Na segunda fase, serão vacinados todos os brasileiros com mais de 60 anos, que serão escalonados dos mais velhos para os mais jovens. O primeiro grupo da segunda fase são idosos entre 70 e 74 anos, seguidos pelas faixas etárias de 65 a 69 anos e 60 a 64. Serão cerca de 21 milhões de vacinados nesse grupo.

Na terceira fase da campanha, serão imunizadas pessoas maiores de 18 anos com as seguintes comorbidades: diabete, hipertensão arterial, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença renal, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, transplantados de órgão sólido, pacientes com anemia falciforme, câncer (com diagnóstico nos últimos cinco anos) e obesidade grave (IMC acima de 40). A estimativa para essa fase é vacinar 12,6 milhões de pessoas.

Por fim, na quarta fase da campanha, receberão a proteção trabalhadores de áreas consideradas essenciais: professores do nível básico ao superior, profissionais de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional, além da população carcerária. Os grupos somam cerca de 4 milhões de pessoas.

Para as quatro fases, o ministério estima imunizar cerca de 51 milhões de brasileiros. Não há definição ainda de como seria a vacinação do restante da população.

Segundo especialistas presentes na reunião, o ministério ainda considera como principal imunizante a ser oferecido no SUS a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, mas não descartou a compra de outros produtos. A vacina da AstraZeneca, porém, pode ter seu registro atrasado após falhas nos estudos.

Participaram da reunião mais de 70 especialistas tanto do ministério, Estados e municípios quanto de sociedades científicas. O plano final de imunização contra covid deverá ser finalizado nas próximas semanas.

Plano em etapas
O plano nacional de vacinação contra a covid-19 terá quatro fases.  A proposta preliminar foi discutida em reunião ontem com a participação do Ministério da Saúde e instituições, como a Fundação Oswaldo Cruz e o Instituto Butantan.  A 1ª fase terá como prioridade trabalhadores de saúde, pessoas de 75 anos ou mais e idosos em instituições de longa permanência, bem como povos indígenas. Na 2ª fase a imunização será focada nos idosos de 60 a 74 anos.  Na 3ª fase estarão pessoas com comorbidades, condições médicas que favorecem um agravamento do quadro a partir da covid-19.   A 4ª fase vai focar em professores, forças de segurança, trabalhadores do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade. O conjunto destes segmentos soma 109,5 milhões de pessoas.  









Leia também: