Viver
'Vale do Vento Eterno' tem sua pré-estreia na Mostra de Cinema de Gostoso
Publicado: 00:00:00 - 27/11/2021 Atualizado: 01:00:25 - 27/11/2021
Produção gravada no RN e finalizada na Alemanha, “Vale do Vento Eterno” é um filme de ficção científica distópica que terá sua pré-estreia na Mostra de Cinema de Gostoso, neste domingo (28), às 21h. A obra escrita e dirigida pelo cineasta potiguar Pedro Medeiros foi filmada em Gostoso, apesar de ser uma co-produção entre Brasil e Alemanha. Mais do que um convite para deleitar ao olhar entre paisagens ensolaradas, o filme traz indagações e reflexões urgentes sobre a humanidade.

Divulgação
O filme se passa em uma comunidade fictícia e remota, onde as pessoas usam respiradores, órgãos mecânicos, entre outros componentes artificiais

O filme se passa em uma comunidade fictícia e remota, onde as pessoas usam respiradores, órgãos mecânicos, entre outros componentes artificiais


Na terra do “Vale do Vento Eterno”, até respirar é perigoso. Seres mecanizados são reféns da máquina de vento que não para de soprar. O filme se passa em uma comunidade fictícia e remota, onde as pessoas usam respiradores, órgãos mecânicos, entre outros componentes artificiais para prolongar o tempo de vida e otimizar funções metabólicas. O vento ribomba sem parar na terra dos “binários”, bicho e máquina em perfeita simbiose. A força dos ventos alimenta as máquinas que oferecem vida eterna aos binários. 

A atmosfera tornou-se irrespirável. A vida animal não é comestível. Habitat natural se confunde com espaço artificial. A batida de um coração não é tão apreciada quanto o estrondo de um motor. A expansão das novas tecnologias impôs uma condição de simbiose entre humanos e máquinas. As pessoas são componentes digitais e mantem uma postura de submissão perante as máquinas. 

Não binário 
A assimilação da tecnologia pelos humanos é tanta que agora tornar-se um binário é imprescindível. Até que o equilíbrio entre bicho e máquina é rompido por Cauan, um jovem arredio que não se adaptou ao hibridismo. O herói à beira da loucura é interpretado por André Passos, ator iniciante que já atuou  no 'mocumentário' “Cinzas”. No elenco também estão Verônica Cavalcanti, Pedro Queiroga, e Fernando Teixeira, ator veterano que já atuou em “Aquarius”, “Baixio das bestas” e na novela “Velho Chico”. 

O diretor Pedro Medeiros estudou na Academia Internacional de Cinema (AIC), e trabalhou nos setores de som e fotografia de grandes produções nacionais, e curta-metragens nordestinos. Seu curta “José Bezerra” circulou em festivais na Europa, Ásia, América do Sul e América do Norte, conquistando prêmios de melhor fotografia e melhor documentário. Criador da produtora Astromar Filmes, apoiou filmes locais como “Cuscuz Peitinho”, e a websérie “Septo”. 

“Vale do Vento Eterno” foi inteiramente custeado com recursos de financiamento coletivo via plataforma online Catarse, sendo realizado pelas produtoras potiguares Astromar filmes, em coprodução com a Prisma Filmes, e pós-produção, efeitos visuais, trilha sonora original e finalização realizada pelas produtoras Pirates N’Paradise e HeilEwelt, ambas sediadas em Berlim, Alemanha. 

O filme é uma das raras produções locais a apostar no segmento de ficção científica. Segundo a equipe, o objetivo de “Vale” não é só por o RN no gênero, mas também introduzir técnicas de efeitos especiais como reforço narrativo. “Por trata-se de um gênero em expansão, vemos neste filme a possibilidade de expandir as fronteiras da linguagem fílmica e criar uma obra com potencial técnico para discutir a nossa contemporaneidade e todas as contradições trazidas pela tecnologia”, declararam. 

Serviço:
“Vale do Vento Eterno”, filme de Pedro Medeiros. Estreia domingo, às 21h, na Mostra de Cinema de Gostoso, em São Miguel do Gostoso. 

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte