Vigilante baleado em assalto receberá indenização de R$ 1,3 milhão

Publicação: 2017-04-25 16:40:00
O vigilante Jeimyson Nunes de Azevedo, que ficou tetraplégico após levar tiro em assalto a uma farmácia na zona Norte de Natal em abril de 2016, fechou um acordo com a empresa Prosegur Brasil S.A., a qual era funcionário, no valor de R$ 1.309.000,00, a ser pago até o dia 2 de maio. O valor é referente ao pagamento dos danos morais e materiais pleiteado pelo autor da ação, e ao pagamento de honorários advocatícios.
Créditos: Adriano AbreuJeimyson Nunes de Azevedo, VigilanteJeimyson Nunes de Azevedo, Vigilante

Jeimyson Nunes de Azevedo deverá receber R$ 1,3 milhão após acordo com empresa de segurança

Ficou acertada, ainda, a exclusão do processo da Empreendimentos Pague Menos S/A, para quem a vítima prestava serviço no momento do assalto. O acordo foi homologado pelo juiz Michael Wegner Knabben, do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Natal (CEJUSCNAT), da Justiça do Trabalho.

saiba mais

O juiz Décio Teixeira de Carvalho, da 3ª Vara do Trabalho de Natal, havia condenado a Prosegur, empregadora do vigilante, e, solidariamente, a farmácia Pague Menos no desembolso de danos morais e materiais. Ele também havia determinado o pagamento de valores específicos para os familiares (país, irmãs e filha), a título de danos morais.

No entanto, esses familiares concordaram que todo o valor do acordo feito agora fosse depositado na conta do segurança. O assalto, no caso, ocorreu em abril do ano passado, no bairro de Igapó, Zona Norte de Natal, e chegou a ter grande repercussão na cidade. Várias campanhas de arrecadação de donativos e medicamentos foram realizadas em favor do vigilante.

De acordo com a Polícia Militar, dois criminosos entraram na farmácia Pague Menos e roubaram a arma e o colete do vigilante. Na fuga, mesmo sem a vítima esboçar qualquer reação, um dos criminosos atirou contra o trabalhador, atingindo-o na coluna cervical e deixando-o tetraplégico.