No RN, violência doméstica cresce 260% durante período de isolamento

Publicação: 2020-05-23 00:00:00
Ícaro Carvalho
Repórter

Os casos de violência doméstica e as tentativas de homicídio cresceram durante o isolamento social no Rio Grande do Norte. No caso dos crimes contra a mulher, o aumento foi de 258,7%, enquanto que as ações criminosas contra a vida aumentaram 300%. Ao somar outros índices de violência, as tipificações criminais, juntas, reduziram 20,2% no RN e 9,9% em Natal. A conclusão de pesquisadores e especialistas em segurança pública é de que a dinâmica e o padrão dos índices de violência mudou com a pandemia. Os números fazem parte de um estudo da Rede e Instituto OBVIO de Pesquisa (OBVIO/RN) - Observatório da Violência Letal e Intencional do Rio Grande do Norte.

Créditos: Adriano AbreuRegistro de violência doméstica no Rio Grande do Norte durante o isolamento social sofreu aumento significativo. Tentativas de homicídio também aumentaramRegistro de violência doméstica no Rio Grande do Norte durante o isolamento social sofreu aumento significativo. Tentativas de homicídio também aumentaram

A pesquisa fez um comparativo entre os dias 12 de março e 18 de maio de 2020 com o mesmo período do ano passado. O intervalo de dias analisado conjuga a decretação da pandemia de Covid-19 pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e a decretação, pelo Governo do Estado, do isolamento social como medida para conter o avanço da doença. Foram analisados 11 tipos de crimes: acidentes de trânsito; lesões corporais com ou sem mortes; intervenções policiais; tentativas de homicídios; latrocínios; feminicídios; homicídios dolosos e violência doméstica.

Com exceção dos acidentes de trânsito sem vítimas, lesões corporais sem morte e feminicídios, todas os outros crimes analisados apresentaram crescimento durante a pandemia de coronavírus. Confira infográfico ao final da reportagem. O trabalho tem a assinatura dos pesquisadores Járvis Campos, Ivênio Hermes e Pedro Freitas.

De acordo com o demógrafo Járvis Campos, professor do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ao analisarem os dados, os pesquisadores observaram que, tanto em Natal quanto no RN como um too, a criminalidade apresentou redução no começo do isolamento, mas logo voltou a crescer. Em Natal e no RN, entre 12 e 30 de março, a redução dos índices de violência foi de 30% e 25%, respectivamente, comparando com o mesmo período de 2019. Já analisando os 68 dias de isolamento, os níveis de violência caíram 20% no Estado e 10% em Natal. 

“Em 2019, somente os acidentes de trânsito sem vítimas e as lesões corporais sem mortes, que são crimes, vamos chamar de mais brandos, representavam, juntas, 77% das ocorrências, mais do que três quartos das ocorrências. Ambas tiveram reduções significativas nesse período de distanciamento. Por outro lado, tivemos aumento da violência doméstica e tentativas de homicídios, o que nos permite apontar que, muito mais importante a redução de 20%  no Estado e 10% em Natal, é a mudança no tipo da violência a principal característica desse período de isolamento social”, ressaltou o pesquisador.

Suscetibilidade

O cientista criminal Ivênio Hermes, titular da Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análise Criminal (Coine), ligada à Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed/RN), apontou que o fato das autoridades policiais estarem ligadas ao cumprimento das medidas de isolamento, contribui para uma “suscetibilidade” no aumento da violência.

“A taxa de pessoas em isolamento não é alta o suficiente para inibir a criminalidade. Pelo contrário, as pessoas continuam trabalhando, saindo às ruas. Isso faz com que haja essa suscetibilidade, haja vista que as polícias e os mecanismos de segurança pública estão mais sobrecarregados devido a acumularem não só o combate a criminalidade em geral como também estarem fazendo outras atividades de controle da lei e ordem, necessárias em tempos de pandemia”, comentou.

Járvis Campos comentou que um dos motivos para que as macrocausas da violência tenham crescido em meio ao isolamento social podem estar ligadam ao fato dos “criminosos buscarem outros meios de obtenção de ganhos, haja vista a perceptível ausência da clientela recorrente do tráfico de drogas”.

Ivênio Hermes citou que, com os déficits nas forças de segurança, o Estado vinha utilizando as diárias operacionais para aparelhar as corporações, tanto a Militar quanto a Civil. “O número de ações criminosas já era grande para o efetivo antes da pandemia, mas era resolvido por meio das diárias operacionais. Só que agora, essas diárias operacionais e esse dinheiro está sendo direcionado para as ações de saúde. Não temos repositório de policiais através de ações extras. O que precisaríamos seria um apoio nacional para os Estados. Esse protagonismo federal não está acontecendo. A solução seria receber homens da Força Nacional, aumentar efetivo da PRF, policiais federais de outros estados”, disse.

Aumento da violência doméstica
Com relação à violência doméstica, a promotora de Defesa da Mulher, Érica Canuto, pontuou  que o isolamento social é um fator de risco porque, segundo o Anuário da Violência, 7 em cada 10 mulheres morrem em casa. 

Créditos: Alex RégisÉrica Canuto defende o isolamento social, mas ressalta que o lar pode se tornar ambiente hostilÉrica Canuto defende o isolamento social, mas ressalta que o lar pode se tornar ambiente hostil


“O lar é um lugar perigoso para as mulheres. Sou defensora do isolamento, temos que cumprir mesmo, é uma providência que vem ao encontro da necessidade de preservar a saúde da coletividade. Mas não podemos deixar de fazer a leitura que o isolamento traz mais risco para a mulher. O que traz mais risco? A arma em casa, bebida. Não são as causas, mas são fatores que potencializam”, ressaltou.

Em reportagem publicada no último dia 19 de abril, a TRIBUNA DO NORTE mostrou que o número de medidas protetivas concedidas a mulheres em meio à pandemia de Covid-19 havia crescido 22,7%. Entre os dias 2 e 15 de março, por exemplo, 44 medidas haviam sido expedidas. Já entre os dias 16 e 31 do mês, o número aumentou para 54. 

Quadrimestre violento
O Rio Grande do Norte apresentou crescimento de 12,02% no número de Crimes de Violência Letal e Intencional (CVLIs) no primeiro quadrimestre de 2020. Em números absolutos, foram registradas 550 mortes violentas nos quatro primeiros meses do ano, contra 491 mortes no mesmo período do ano passado. Os dados são do Observatório da Violência Letal e Intencional do Rio Grande do Norte (OBVIO/RN).

De acordo com os números, tabulados entre 1º de janeiro de 31 de abril deste ano, foram 405 homicídios dolosos, 64 intervenções policiais, 45 lesões corporais seguidas de morte, 27 latrocínios e nove feminicídios. 

Violência crescente
Período de comparação: 12 de março a 18 de maio

Tentativa de homicídio
2019: 12
2020: 48
300% de aumento

Violência doméstica
2019: 206
2020: 739
258,7% de aumento

Acidentes de trânsito com vítimas
2019: 72
2020: 81
12,5% de aumento

Acidentes de trânsito com vítimas
2019: 837
2020: 199
76,2% de queda

Lesões corporais sem morte
2019: 1.232
2020: 698
43,3% de queda

Homicídio doloso
2019: 208
2020: 244
17,3% de aumento

Feminicídio
2019: 4
2020: 3
25,0% de queda

Lesões corporais seguidas de morte
2019: 29
2020: 32
10,3% de aumento

Latrocínios
2019: 17
2020: 18
5,9% de aumento

Intervenções policiais
2019: 21
2020: 31
47,6% de aumento

Suicídios
2019: 41
2020: 44
7,3% de aumento







Leia também: