Produção de melão no Estado deve duplicar para atender o mercado da China

Publicação: 2020-01-24 00:00:00
A+ A-
O melão produzido no Rio Grande do Norte passará a ter, ao longo deste ano, um novo e relevante mercado consumidor: a China. A Administração Geral de Aduana da China (GACC, órgão responsável pela sanidade vegetal e animal) publicou comunicado, em sua página oficial, nesta quinta-feira, 23, que autoriza a importação de melão do Brasil. Com essa autorização, a produção de melão nos territórios cearense e potiguar tendem a duplicar, conforme estimativa publicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta quinta-feira, 23.

Créditos: Divulgação/IdiarnComitiva chinesa visitou, entre os dias 12 e 17 deste mês, inúmeras fazendas produtoras de melão no Rio Grande do Norte e CearáComitiva chinesa visitou, entre os dias 12 e 17 deste mês, inúmeras fazendas produtoras de melão no Rio Grande do Norte e Ceará
Comitiva chinesa visitou, entre os dias 12 e 17 deste mês, inúmeras fazendas produtoras de melão no Rio Grande do Norte e Ceará

Conforme Luiz Roberto Barcelos, presidente da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e do Comitê Executivo de Monitoramento da Mosca das Frutas (Coex), outros mercados, além do chinês, deverão ser conquistados ao longo deste ano. “Para 2020, temos a  abertura de novos mercados. Há a expectativa da China, que não deverá ser ainda uma grande resposta, mas já deve começar alguma coisa. Temos outros mercados como o Leste Europeu, Rússia e Oriente Médio, além do Canadá. Estamos buscando novos mercados para a economia brasileira se recuperar. As exportações, acredito, deverão ficar bem aquecidas num número parecido ao de 2019 ou mais alto. Essa é a expectativa geral”, declara.

Na semana passada, Técnicos da GACC inspecionaram fazendas produtoras de melão no Rio Grande do Norte e no Ceará, entre os dias 12 e 17 de janeiro de 2020. Os Estados são os maiores produtores da fruta através das fazendas pertencentes à Agrícola Famosa, do empresário Luiz Roberto Barcelos.

O objetivo da visita foi verificar as plantações nas áreas livres da mosca-da-fruta nos Estados. Os técnicos foram acompanhados de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri) e do Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do Rio Grande do Norte (Idiarn).

A China é o maior mercado consumidor de melões no mundo - consome cerca de metade da produção mundial, o equivalente a 17 milhões de toneladas em 2017. Se o Brasil conquistar 1% do mercado chinês, o volume de exportações da fruta deverá dobrar.

 Em novembro do ano passado, o Brasil fechou acordo com a China para viabilizar a exportação de melão. O acordo é simbólico por se tratar do primeiro entendimento sobre frutas com o país asiático.

O governo brasileiro ainda não foi notificado oficialmente, mas a medida entrou em vigor nesta quinta-feira.

A China ainda irá publicar a lista de fazendas e estruturas de embalo para exportação (packing houses) certificadas para a venda ao mercado do país.






Deixe seu comentário!

Comentários