Zé Renato canta Paulinho da Viola em "O Amor é Um Segredo"

Publicação: 2020-01-15 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Emerge a beleza. Emerge a delicadeza. Da tristeza dessa cidade submersa do Rio de Janeiro, inundada por Paulinho da Viola em 1973 - e mergulhada por Chico 20 anos depois - é pelas mãos e pela voz de Zé Renato que a beleza e a delicadeza emergem. Um capixaba que já fez dessa cidade submersa seu lugar, de tanto que se fundiu a ela. E quem dirá que beleza e delicadeza não são um veículo político, em uma cidade que, além de submersa, vê-se também soterrada pelo embrutecimento das relações e pela banalização da violência? Pois o cantar sereno, leve e preciso de Zé, se permitindo filtro da suavidade de Paulinho, talvez esteja entre o que há de mais necessário no momento. O código de uma tristeza tão ancestral quanto necessária.

Zé Renato faz registro íntimo de sambas de Paulinho da Viola
Zé Renato faz registro íntimo de sambas de Paulinho da Viola

"Optei por nove sambas, boa parte deles não tão conhecidos. Nas escolhas que fiz, há também uma explícita dose de tristeza - tristeza que, a meu ver, percebe-se nos mais lindos sambas que conheço. A tristeza é senhora, disse Caetano". Assim Zé apresenta as canções de "O Amor É um Segredo - Zé Renato Canta Paulinho da Viola". Um segredo que se decifra em símbolos desde a capa até a assinatura inconfundível de Paulinho nas melodias das faixas, representações metonímicas dele próprio, cada uma delas.

Foi pra preservar essa aura daviolesca que Zé gravou o disco em registro íntimo, com voz e violão gravados simultaneamente, sobre os quais alguns elementos pontuais foram inseridos, como o sax de Spok, em "Lua", "Só o Tempo", "Foi Demais" e "Para Um Amor no Recife", o trompete de Fabinho Costa em "Cidade Submersa" e as percussões leves de Tostão Queiroga, presentes em quase todo o disco.

O novo trabalho de Zé Renato, produzido pelo próprio Zé em parceria com os irmãos Tostão e Lula Queiroga, expõe uma linhagem, uma genealogia, uma nobreza da leveza, que compreende a tristeza e a desilusão, mas é sempre capaz de lapidar a beleza e a delicadeza, outrora naufragadas nas próprias feridas, mas que Paulinho e Zé Renato são capazes de fazer emergir.

"Ou seja, o único jeito é entregar-se sem resistência e deixar-se levar pela tristeza. E assim deixei. Paulinho é um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos. Faz tempo que suas músicas ajudam a embelezar o repertório de inúmeros intérpretes. E agora, modestamente, chegou a minha vez". Para nossa sorte, Zé. (Por João Cavalcanti).





continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários